“Idosos são a maior força missionária que teremos nas próximas décadas”, diz líder cristão

Nenhum comentário
"Idosos são a maior força missionária que teremos nas próximas décadas", diz líder cristão

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicou o estudo Working Better With Age, sobre idosos, que “resume os principais desafios e boas práticas do país para melhorar as perspectivas de emprego de pessoas em idade mais avançada”.

“A idade média da população deverá aumentar de 40 anos hoje para 45 anos em meados da década de 2050, e a proporção de idosos com 65 anos ou mais e pessoas em idade ativa (15-64) deverá aumentar de 1 em 4 em 2018 para 2 em 5 em 2050”, diz o documento.

Políticas melhores “permitirão que o envelhecimento da população ande de mãos dadas com vidas mais longas, gratificantes e prósperas, onde o trabalho em uma idade mais avançada em empregos de boa qualidade é promovido e valorizado”.

Se nada for feito para alterar os padrões de trabalho e aposentadoria existentes, “o número médio de aposentados por 100 trabalhadores nos países da OCDE deverá aumentar de 42 em 2018 para mais de 58 em 2050 e até mesmo subir para mais de 100 em alguns dos países mais antigos da OCDE”, aponta o estudo.

“O desafio mais óbvio é o pagamento de aposentadorias a uma população maior e por mais tempo, juntamente com uma maior despesa no orçamento da saúde”, diz o coordenador dos Grupos Bíblicos dos Graduados na Espanha (GBG), Jaume Llenas.

Charo Pablos, membro da liderança do Fórum de Direito dos Evangélicos da Espanha, concorda: “Em tempos de crise econômica, os aposentados prestam um serviço enorme à família e, por sua vez, à economia em geral”.

Igrejas e idosos

Segundo Llenas, “a Bíblia mostra pouco confronto entre gerações, porque acredita mais na cooperação intergeracional”.

“A igreja é um dos poucos lugares da sociedade onde existem pessoas de todas as idades com um objetivo comum e em uma atividade comum, a missão de Deus”, afirma.

“Quando todos são submetidos à experiência da missão de Deus, todas as faixas etárias da igreja precisam do apoio e da participação do outro, sem distâncias geracionais”, acrescentou.

No entanto, Llenas lamenta que “as igrejas ainda não começaram a explorar o potencial dos idosos na missão. Devemos abandonar definitivamente a mentalidade de que os membros mais velhos da igreja são um setor que pede serviços e que deve ficar quieto até que o Senhor os leve com ele”.

"Vamos abandonar a mentalidade de prestar homenagem a eles e de tê-los como um objeto antigo que é mantido ali pela nostalgia pelo que eram antes", diz.

Llenas ressalta que “eles são a maior força missionária que teremos disponível nas próximas décadas. A igreja deve despertar o chamado da missão que o Senhor lhes deu”.

Ela declara que os idosos “são muito mais do que membros da igreja, são missionários que têm tempo e recursos financeiros, devemos lembrar-lhes o chamado de Deus, treiná-los e enviar ambos em casa e nos confins da terra”.

Para a coordenadora do GBG, "no futuro, teremos que assistir a conferências de treinamento missionário direcionadas de maneira especial a esta geração que possui muitos dons, excelentes capacidades técnicas e um conhecimento bíblico acima da média da igreja".

“Segundo a visão bíblica do trabalho, a aposentadoria não muda nada. O trabalho na Bíblia não é apenas trabalho remunerado. O fato de eles pagarem ou não por isso não adiciona nem modifica nada. O chamado de Deus para cooperar com Ele através do trabalho não tem variação”, acrescenta Llenas.

“Se o trabalho é um ato de adoração e cooperação para os propósitos de Deus, o fim da vida profissional em uma empresa é apenas uma mudança de destino, mas não é o fim de nada. Se você era um funcionário da missão de Deus, isso significa apenas que você a exercitará em outro lugar”, explica a coordenadora.

Fonte: Guia-Me

Nenhum comentário

Postar um comentário