Igrejas terão de cortar gastos para ajudar mais necessitados após pandemia, diz pastor

Nenhum comentário
Igrejas terão de cortar gastos para ajudar mais necessitados após pandemia, diz pastor

Após a pandemia do coronavírus, muitas igrejas precisarão aprender a "fazer mais com menos" e sacrificar programas e outros “luxos” para ajudar os necessitados, disse o pastor e autor Tim Keller.

Durante uma recente entrevista com Gabe Lyons na Conferência Virtual anual Q 2020, Keller, pastor aposentado de 69 anos da Igreja Presbiteriana Redeemer na cidade de Nova York, disse que a pandemia de coronavírus é "mais parecida com o 11 de setembro do que diferente". As duas tragédias foram sem precedentes e resultaram em "danos multidimensionais", tanto sociais quanto econômicos.

“As instituições cristãs serão confrontadas com a necessidade de fazer mais com menos”, ele previu, explicando que depois do 11 de setembro, a Igreja Redeemer tinha 25% mais pessoas e 25% menos de renda.

“O número de pessoas e as necessidades expandiram-se enormemente, mas como muitas pessoas perderam o emprego e deixaram a cidade e tudo mais, a arrecadação estava tendo um déficit enorme”, disse ele. “É exatamente a mesma coisa agora: todas as igrejas que conheço estão dizendo: 'Temos que fazer mais com menos. Temos muito mais necessidades e menos recursos para fazer isso. 'E isso significa não apenas uma nova abordagem para a administração, mas também pensar no que você gasta seu dinheiro ".

Keller, que hoje atua como presidente da Redeemer City to City, que ajudou a iniciar mais de 500 igrejas em dezenas das cidades mais influentes do mundo, disse que o período entre o isolamento e a disponibilidade de uma vacina contra o coronavírus será um "período intermediário".

"Não sei como será", ele admitiu. "Tudo o que posso dizer é que serão necessárias duas coisas: um pensamento inovador e mais networking com conversação".

"A segunda coisa é que você sempre lidera através do sacrifício", continuou Keller. “A igreja em geral terá que gastar menos dinheiro consigo mesma - isto é, com seus próprios programas - e mais dinheiro com as pessoas carentes. E a única maneira de fazer isso será cortar as coisas que estão fazendo agora”.

“Isso significa [o pastor] sacrificar parte do seu salário como uma maneira de garantir que a igreja seja capaz de atender às necessidades da sua comunidade? Eu não sei”, ele continuou. “Mas a liderança acontece sempre com inovação e sacrifício. E nós vamos ter que fazer as duas coisas nos próximos um ano ou dois”.

Portas abertas ao Evangelho

Nova York é o epicentro do surto de COVID-19 do país, com um número total de mortos em 12.067 e 158.000 casos confirmados na segunda-feira à tarde.

Keller apontou que o vírus "sacudiu" o orgulho humano e causou ansiedade nas pessoas, acrescentando que toda vez que uma tragédia ocorria em Nova York, "havia cerca de 10 ou 20% mais pessoas dispostas a ouvir uma pregação do Evangelho".

"Isso é tudo. É temporário, desaparece, francamente, com bons tempos”, afirmou. "Mas você realmente tem cerca de 10 ou 20% mais ouvidos abertos, e só precisa estar mais confiante para chegar lá e dizer as coisas".

"Na Redeemer há pessoas que se tornaram cristãs logo após o 11 de setembro, porque apareceram na igreja por estarem assustadas e apenas sentiam que precisavam de uma conexão", acrescentou Keller.

Ainda assim, o teólogo, palestrante e autor disse que não está otimista em relação à mudança permanente da cultura como resultado do vírus, enfatizando que os cristãos ainda precisarão “encontrar novas maneiras de formular a verdade cristã de uma maneira que se conecte à cultura, mas não o faça, não se comprometa com isso”.

Em uma entrevista anterior ao ‘Christian Post’, Keller apontou que o coronavírus está fazendo o que o 11 de setembro fez ao Estado: apresentando uma oportunidade única para os cristãos servirem como farol de esperança em meio à escuridão.

"No nível nacional, não tenho muita esperança", admitiu. "Os políticos estão tentando atribuir um ao outro lado a culpa pelo vírus e isso é desencorajador. Eles estão tentando marcar pontos para que, quando a pandemia comece a diminuir, pareçam bons".

"Mas no nível local, isso provavelmente não vai acontecer. Todo mundo vai dizer: 'OK, como lidamos com a devastação em nossas comunidades?' E é aí que eu penso, se os cristãos estão dispostos a chegar lá e ser bons samaritanos e dizer: 'Como trabalhamos com pessoas de raças e religiões diferentes e apenas tentar amá-las e como podemos dar as mãos?', teremos menos polarização e uma oportunidade real de testemunhar”.

Fonte: Guia-Me

Nenhum comentário

Postar um comentário