Após 9 anos com leucemia, pastor fica curado com sangue do filho: “Intervenção divina”

Nenhum comentário
Após 9 anos com leucemia, pastor fica curado com sangue do filho: "Intervenção divina"

O pastor John K. Jordan, 52 anos, recebeu o diagnóstico de leucemia linfocítica crônica - a forma mais comum da doença - em 2008, nove anos depois de se tornar pastor principal da Assembleia de Deus do Calvário em Beckley, West Virginia.

Jordan diz que a notícia devastou a ele e a sua esposa, Stephanie, que serve como pastora evangelista na igreja, que tem cerca de 250 fiéis.

“Nas primeiras semanas após recebermos o diagnóstico, passamos várias noites deitados na cama e choramos”, diz John. “Tínhamos filhos pequenos, e pensar neles crescendo sem pai era muito difícil.” As crianças tinham 11, 8 e 5 anos na época.

Mas para Stephanie, que conheceu o marido na Universidade de Cumberlands em Williamsburg, Kentucky, um estudo bíblico intensivo sobre cura logo trouxe uma palavra consoladora de Deus.

Stephanie diz que o Senhor deixou claro para ela que o câncer não tiraria a vida de seu marido.

“Depois disso, houve uma paz incrível e nunca temi pela morte de John”, diz Stephanie.

John rapidamente concordou com a palavra divina que sua esposa recebeu, e os dois se prepararam para uma batalha médica - e espiritual.

Período desafiador

Por vários anos após o diagnóstico inicial, os médicos esperaram que certos números de sangue ficassem sérios o suficiente para o tratamento.

Stephanie conta que os gânglios linfáticos no pescoço de John ficaram muito grandes, o que prejudicou sua capacidade de respirar. Nesse ponto, os médicos de John começaram a usar quimioterapia, que inicialmente não afetou o pastor - até a introdução de um antibiótico em dias alternados. Isso deixou John tão doente que ele mal conseguia comer. Em questão de semanas, John perdeu 10 quilos.

“Pelos próximos anos, eu estava ligado novamente com diferentes tipos de tratamentos de quimioterapia”, lembra John. Nesse ponto, médicos da Universidade Johns Hopkins em Baltimore assumiram seu tratamento.

Durante tudo isso, Jordan continuou seus deveres de pastor da igreja, bem como outras responsabilidades. Ele atua como superintendente assistente da AG Appalachian Ministry Network, além do Presbitério Geral AG, bem como o conselho de regentes da Southeastern University em Lakeland, Flórida.

“Eu não conseguia imaginar passar pelo que passei sem ter o tipo de sistema de apoio que tinha”, diz Jordan. “Não apenas minha família da igreja, mas para fazer parte das Assembleias de Deus como um todo, porque temos pessoas de todo o mundo orando por nós”.

Doação do filho Nathaniel

Em setembro de 2017, os médicos de Jordan em Baltimore disseram que queriam tentar um novo tratamento: o transplante de células-tronco (via plaquetas sanguíneas) de um doador compatível, em vez de um transplante de medula óssea frequentemente retardado.

O filho mais velho de Jordan, Nathaniel, então com 19 anos e se preparando para uma carreira médica, acabou sendo 50% compatível, o que os médicos consideraram bom o suficiente.

Nathaniel, que agora tem 24 anos e está no terceiro ano da faculdade de medicina, diz que não tem reservas sobre o procedimento, que é muito menos invasivo do que um transplante de medula óssea tradicional. A coleta de sangue o deixou exausto, mas ele logo retornou aos estudos de graduação na Southeastern University.

Dois meses após o procedimento, os resultados surpreenderam até os médicos de Jordan, algo que o pastor atribui à intervenção divina.

A equipe médica teve amostras de DNA de Nathaniel e de John antes do transplante, diz Jordan. Sessenta dias após o transplante, foi feito exame de sangue, com médicos focados nas células T, um tipo de linfócito que é a chave da resposta imunológica.

“Eles estavam procurando por células de leucemia em meu corpo, em meu sangue, e comparando quantas células T de meu filho estavam em meu sangue em comparação com minhas células T”, diz John.

O veredito? John não tinha sinais de leucemia. Na verdade, seu médico explicou que quando ele testou o DNA de John procurando suas células T em comparação com as células T de seu filho, ele encontrou 100 por cento das células T de Nathaniel. O médico disse que nunca tinha visto isso ocorrer em um paciente com leucemia linfocítica crônica. Um teste de acompanhamento seis meses depois produziu os mesmos resultados.

“Eles pegaram o sangue do meu filho e colocaram em mim para lidar com algo que eu não poderia resolver sozinho”, lembra John. “Se não tivesse sido controlado, teria me matado. Espiritualmente, é assim que as coisas acontecem por meio do sangue de Jesus.”

Hoje, o casal Jordan está trabalhando em tempo integral com sua igreja e outras responsabilidades.

Fonte: Guiame

Nenhum comentário

Postar um comentário