Kay Warren relata quais são os desafios de ser esposa de pastor

Nenhum comentário
Kay Warren relata quais são os desafios de ser esposa de pastor

Ser esposa de pastor não é uma tarefa fácil. Além dos muitos compromissos que a vida ministerial requer — disponibilidade para aconselhar, ensinar e pastorear, há ainda a sutil exigência de que pastor, esposa e filhos sejam perfeitos, infalíveis e plenos. 

Embora a vida ministerial naturalmente exija um comportamento exemplar, seria realmente bom que todos tivessem em mente que a família pastoral é formada por seres humanos propensos a erros e totalmente dependentes da graça de Deus.

Com o intuito de compartilhar sua experiência pessoal como esposa de pastor e líder com mais de 40 anos de dedicação, Kay Warren, esposa do pastor e best-seller Rick Warren, lança seu mais novo livro Privilégio Sagrado: Desafios e alegrias de ser esposa de pastor, publicado no Brasil pela Editora Mundo Cristão.

Por meio de um relato transparente, Kay apresenta princípios encorajadores e lições de vida que darão às leitoras a confiança necessária para liderar e viver bem. Privilégio sagrado é um testemunho vivo, escrito com honestidade, em que a escritora divide lutas, erros e tristezas, numa verdadeira conversa com as leitoras.

“Ao longo das décadas de meu ministério, o papel das esposas de pastor, bem como das mulheres de modo geral, evoluiu radicalmente.  Desde as esposas de pastor que trabalhavam nos bastidores e passavam boa parte do tempo no lar na geração de minha mãe até as mulheres que atuam como pastoras assistentes ou titulares, e toda ampla gama entre esses dois extremos, o papel da esposa de pastor não permaneceu estático. Isso significa que toda geração precisa se adaptar a uma cultura em constante transformação e contextualizar o ministério.” (P. 14 e 15, Kay Warren – Privilégio Sagrado)

Longe de ser um livro para falar de uma “vida perfeita”, seu relato autobiográfico tem a intenção de ser o mais direto e honesto possível, sem ultrapassar os limites do que é apropriado, proporcionando às leitoras um ambiente de aceitação e segurança. Warren também divide suas alegrias e mais dolorosas experiências, como a perda de um filho, vítima de suicídio, e as constantes tensões no casamento.

Privilégio sagrado não apenas aponta as possíveis dificuldades do ministério, mas oferece caminhos e elucida bênçãos e alegrias, mostrando por que dedicar-se a esse chamado é, de fato, um privilégio. Ideal para grupos de apoio a líderes eclesiásticos e de formação ministerial, a obra também pode ser lida por quem não se dedica ao ministério, mas deseja conhecer uma história de superação, aprendizagem e desenvolvimento pessoal e extrair princípios preciosos para a vida cristã.

Fonte: Guiame

Nenhum comentário

Postar um comentário