Pastores e cristãos têm visões diferentes sobre missões, mostra estudo

Nenhum comentário

Pastores e cristãos têm visões diferentes sobre missões, mostra estudo
O Barrna Group, em parceria com a Mission India, lançou recentemente o estudo “The Great Disconnect: Reclaiming the Heart of the Great Commission in Your Church” (A Grande Desconexão: Recuperando o Coração da Grande Comissão em Sua Igreja, em tradução livre), que “revela equívocos e inconsistências em como as igrejas dos EUA percebem e abordam o trabalho missionário”.

De acordo com a pesquisa, 85% dos pastores pesquisados ​​acreditam que missões é um mandato para todos os cristãos, enquanto a maioria dos cristãos praticantes (51%) disse que missões é um chamado para alguns, e outros 25% disseram que não é um mandato para tudo.

Além disso, “apenas 53% dos cristãos praticantes ouviram falar da Grande Comissão”. Entre esses, “61% veem as missões como um mandato e acreditam que uma compreensão bíblica de missões é essencial para o envolvimento de sua igreja em missões”.

“Quer vejam as missões funcionar como uma opção ou uma responsabilidade, pastores e cristãos têm visões variadas sobre o que mais importa nas missões e o que deve realizar”, apontam os pesquisadores.

O estudo mostra que, enquanto a grande maioria dos pastores dos EUA (88%) acredita que é mais importante que as missões equipem líderes indígenas ou locais para espalhar o Evangelho, apenas 46% dos cristãos dizem o mesmo.

“Os pastores também enfatizam a importância de espalhar o evangelho sobre a promoção da justiça (77% vs. 15%). Para os cristãos, no entanto, espalhar o evangelho (43%) e promover a justiça (37%) têm importância quase igual quando se trata de missões”, acrescenta.

Outro exemplo é que “os cristãos favorecem a transformação da saúde das comunidades e o atendimento das necessidades físicas, enquanto os pastores esperam atender às necessidades espirituais em primeiro lugar”.

Insights publicados por Barna em um relatório intitulado “Growing Together” (Crescendo Juntos) , mostram que 56% dos cristãos nos EUA veem suas vidas espirituais como inteiramente privadas, o que é contraproducente para cumprir a Grande Comissão.

“O discipulado é uma maneira poderosa de atender a uma necessidade comum de vulnerabilidade e companheirismo”, disseram os pesquisadores nesse estudo.

“Quando Jesus discipulou os 12, os assuntos espirituais e cotidianos de suas vidas se misturaram. A vida não era privada ou compartimentada. Refeições e milagres, frustração e afeto, sermões e sonecas, provações e celebrações – eles compartilharam tudo”, acrescentaram. “Os cristãos devem considerar o que significaria fazer o mesmo hoje.”

“No geral, os valores das missões diferem consideravelmente entre o púlpito e o banco. Notavelmente, os cristãos também são mais propensos do que os pastores a serem neutros em muitos desses pontos, o que pode sugerir que eles não têm as informações ou orientações de que precisam sobre o assunto”, concluem as pesquisas.

Fonte: Folha Gospel com informações de Evangelical Focus

Nenhum comentário

Postar um comentário