Missionário americano morto em ilha será homenageado no “Dia do Mártir Cristão”

Nenhum comentário
Missionário americano morto em ilha será homenageado no “Dia do Mártir Cristão”

O missionário americano John Allen Chau foi morto ao tentar evangelizar uma tribo que vive isolada na ilha Sentinela do Norte, no arquipélago de Andaman e Nicobar, no Oceano Índico.

Agora, a Voz dos Mártires (VOM), que serve cristãos perseguidos em todo o mundo, anunciou que honrará o legado e o sacrifício de Chau.

Na quarta-feira, a VOM disse que adicionará o nome de Chau ao “Memorial dos Mártires”, um monumento de granito com 18 metros de comprimento, instalado na sede do ministério em Bartlesville, Oklahoma.

Chau tinha 26 anos quando foi morto em 17 de novembro de 2018, durante uma missão na Ilha Sentinela do Norte nas Ilhas Andaman, localizada na Baía de Bengala, a cerca de 600 milhas da Índia continental.

A data de 29 de junho marca o Dia do Mártir Cristão e o aniversário da decapitação do Apóstolo Paulo em Roma. Ao longo da história da Igreja, os cristãos em todo o mundo comemoraram a vida de inúmeros crentes que se sacrificaram por Cristo.

Esforço para evangelizar

Com a ajuda de um barco de pesca, Chau fez contato pela primeira vez com o povo Sentinelese - considerado por muitos como a "tribo mais isolada do planeta" - em 15 de novembro de 2018, segundo o VOM.

Mais tarde naquele dia, um menino sentinela atirou em Chau uma flecha que se alojou na Bíblia que ele estava segurando.

Em seu diário naquela noite, Chau escreveu: "Deus, eu não quero morrer... QUEM VAI TOMAR O MEU LUGAR SE EU FOR?, e especialmente perdoá-los se tiverem sucesso."

Na manhã de 17 de novembro, os pescadores que deixaram Chau na ilha viram membros da tribo enterrando seu corpo na praia.

As autoridades indianas chamaram os esforços de Chau para evangelizar a tribo Sentinelese não alcançada de uma "aventura equivocada" em uma área altamente restrita.

Sua morte, que recebeu atenção da mídia internacional, inspirou muito escrutínio de organizações missionárias que tentavam alcançar tribos não alcançadas e isoladas.

Chamado sacrifical

O apresentador da VOM Radio, Todd Nettleton, disse ao The Christian Post que um olhar mais atento à vida e morte de Chau revela sua compaixão semelhante a Cristo, extenso treinamento e preparação e convicção lúcida de seu chamado ao povo Sentinelese.

"Nós, como Igreja, devemos reconhecer aqueles que seguem o chamado de Cristo para ir a todo o mundo, independentemente do custo. E John Chau é certamente um exemplo notável disso", disse Nettleton.

Longe de ser um aventureiro impulsivo, Nettleton diz que Chau sentiu pela primeira vez o chamado de Deus em sua vida depois de retornar de sua primeira viagem missionária quando adolescente.

Nettleton disse que Chau passou um tempo orando e se preparando para ir aonde Deus o chamasse, pesquisando diferentes grupos de pessoas até encontrar informações online sobre o povo Sentinelese.

“Cada decisão que ele tomou foi com o objetivo de ir para a Ilha Sentinela do Norte, conhecer essas pessoas, aprender sua língua, ser capaz de compartilhar Cristo com elas”, disse Nettleton.

Preparo espiritual e físico

Nove anos antes de sua viagem, Nettleton diz que Chau começou a se preparar física e espiritualmente para sua jornada.

Durante toda a faculdade na Universidade Oral Roberts, Chau tomou banhos frios para se preparar para a vida na ilha, sabendo que ficaria sem água quente. Ele passou por uma cirurgia ocular a laser para não ter que se preocupar com lentes de contato.

Chau também passou por um processo de treinamento com a organização missionária All Nations, com sede em Kansas City, sob seu programa Experiência de Plantação de Igrejas para futuros missionários.

Ele também fez um curso de treinamento em linguística patrocinado pela Wycliffe para aprender o idioma Sentinelese rapidamente. Ele ganhou uma certificação como EMT do deserto com a ideia de levar assistência médica para as pessoas isoladas da ilha.

A Dra. Mary Ho, líder executiva internacional da All Nations International, chamou Chau de um dos "missionários mais preparados que ela já conheceu", de acordo com Nettleton.

Jesus vale tudo

"Acredito que a medida do sucesso no reino de Deus é a obediência", escreveu Chau em seu diário.

"Quero que minha vida reflita a obediência a Cristo e viva em obediência a Ele. Acho que Jesus vale a pena. Ele vale tudo."

“Ele entendeu o valor do Evangelho, entendeu o significado eterno de compartilhar Cristo com o povo Sentinelese e considerou [perder a vida] um comércio justo”, disse Nettleton.

Fonte: Guiame com informações de Christian Post 

Nenhum comentário

Postar um comentário