Recent post

Justiça suspende eleição para novo presidente da Assembleia de Deus de Mato Grosso

Justiça suspende eleição para novo presidente da Assembleia de Deus em Mato Grosso

A Justiça determinou a suspensão da eleição para a escolha do novo presidente da Igreja Assembleia de Deus de Cuiabá e Região Metropolitana, marcada para a terça-feira (4) devido ao risco de aglomeração.

A juíza Olinda de Quadros Altomare Castrillon, da 11ª Vara Cível de Cuiabá, acolheu uma ação ordinária proposta pelo pastor Nelson Barbosa Alves, primeiro-secretário da subsede instituição religiosa.

A eleição foi convocada após a morte do pastor da Assembleia de Deus, Sebastião Rodrigues de Souza, de 89 anos, em Cuiabá. Ele morreu cinco dias depois do filho dele, também pastor da mesma igreja, Rubens Siro de Souza, de 68 anos. Eles eram presidente e vice-presidente da igreja, respectivamente.

Atualmente, a igreja é presidida pelo pastor Enésio Barreto Rondon noemado administrador provisório pela juíza Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro no dia 14 de julho.

Ele convocou assembleia-geral para escolher o novo presidente, mas alguns integrantes da instituição estão insatisfeitos. Nelson Barbosa alega que o administrador provisório não está conduzindo as eleições de acordo com o estatuto da instituição a começar das informações constantes no edital de convocação para a eleição da presidência da igreja.

A juíza determinou a possibilidade de eleição daqui a 90 dias.

“Recomenda-se à parte requerida a análise e adoção das providências necessárias para que, ao término de prorrogação judicial, realize assembleia geral, ainda que não seja possível a reunião presencial dos membros, pelos métodos virtuais aplicados na atual realidade vivenciada por toda humanidade”.

Fonte: G1

Pastor relata caos após explosão em Beirute: “Vamos orar e trabalhar pelos que sofrem”

Pastor relata caos após explosão em Beirute: "Vamos orar e trabalhar pelos que sofrem"

Em poucos minutos, partes de Beirute, capital libanesa, foram devastadas por uma explosão gigantesca na tarde de terça-feira (04). Em meio ao caos, imagens foram mostradas para o mundo, exibindo os exatos momentos quando a região portuária entra em explosão devido a elementos químicos, especialmente nitrato de amônio, que estavam depositados desde 2014, segundo informações oficiais.

Em seu Facebook, o pastor Said Deeb, da Church of God Bourj Hammoud, mostra diversas imagens caóticas da cidade e algumas pessoas atingidas. Ele também fotografa partes de sua igreja arruinada. Ele diz que vários de seus parentes experimentaram a força da explosão de perto.

“E explosão eliminou o porto, as reservas alimentares e uma grande parte da cidade... Hiroshima 2 potência”, escreveu o pastor, dizendo que até mesmo na Ilha de Chipre e na Grécia os efeitos foram sentidos.

Desesperado, o pastor também indaga sobre os horrores em sua cidade: “Distrito portuário e muito além, por que é que tudo isto está a acontecer ao Líbano? Por quê?!!? Por favor, basta”, escreve com emoji que representa alguém chorando.

Por favor orem pela nossa tia Evelyne, e Tina. Tina ainda está sob operação, orem também por um bombeiro, um irmão na igreja que está perdido, não consegue alcançá-lo, o nome dele é Jihad.

Sobre as acusações iniciais por parte de grupos de que Israel poderia estar por trás da tragédia em ataque a depósitos do grupo terrorista Hezbollah, o pastor diz que não acredita nisso.

“Quero esclarecer e desculpar-me se fui mal compreendido, disse que (eles) e quis dizer redes sociais e repórteres de notícias estão a dizer que Israel atacou armas Hezbollah ou menos e causou esta catástrofe, este não é o meu relatório, este foi o general crença e sentimento, até essa hora ninguém sabe exatamente como aconteceu, porque todo mundo lá no porto está morto, ninguém sobrou pra dizer a verdade, então eu não culpo ninguém”, disse.

O pastor disse ainda que estava refletindo sobre notícias e podem ser fake News. “Recebi centenas de notícias de última hora, como se a coisa tivesse sido confirmada. Mas parece que foram previsões... vamos esperar pelos resultados das investigações, unir-nos, orar e trabalhar juntos para salvar aqueles que sofrem ao nosso redor, e construir o máximo que pudermos!", declarou.

Fonte: Guiame

Pastor John MacArthur pode ser preso por continuar realizando cultos presenciais, nos EUA

Pastor John MacArthur pode ser preso por continuar realizando cultos presenciais, nos EUA

As autoridades supostamente ameaçaram a Grace Community Church na Califórnia com multas e possível prisão por reabrir sua igreja, desafiando as ordens de lockdown em razão da pandemia, dadas pelo governador Gavin Newsom durante a pandemia. Ainda assim, o pastor John MacArthur prometeu continuar os cultos presenciais.

"Vamos obedecer a Deus e não aos homens", disse MacArthur em comunicado divulgado na sexta-feira. "Vamos ser fiéis ao Senhor e deixaremos os resultados para Ele. O que quer que aconteça, será o que Ele permitir que aconteça. Mas Ele estará do nosso lado, porque seremos obedientes e fiéis a Ele e à Palavra Dele".

"Não vamos nos curvar a César", acrescentou. "O Senhor Jesus Cristo é nosso rei".

Oficiais do Departamento de Saúde Pública do condado de Los Angeles ameaçaram MacArthur com "repercussões como multas e até possível prisão" se sua igreja não cumprir as ordens do estado, conforme o Rev. Franklin Graham, presidente da Samaritan's Purse e da Associação Evangelística Billy Graham, escreveu no Facebook.

A divisão de Saúde Ambiental do departamento "está investigando e entrará em contato com os líderes da igreja para que eles saibam que precisam cumprir a ordem do oficial de saúde", informou o site Religion News Service.

MacArthur observou que essa não seria a primeira vez que eles se encontrariam "em um julgamento" ou "acabariam em um tribunal". Em 1980, a Grace Community Church foi processada por negligência do clero pelos pais de um jovem de 24 anos, que fazia parte da igreja, depois que ele cometeu suicídio. Quase uma década depois, a Suprema Corte dos EUA se recusou a ouvir o caso, permitindo a decisão da Suprema Corte da Califórnia de negar provimento ao processo.

Enquanto ele disse que não sabe "o que o Senhor tem preparado" para ele e sua igreja desta vez, eles continuarão se encontrando para adoração todos os domingos.

"Nós nos encontraremos como a Igreja de Jesus Cristo, porque somos ordenados a fazer isso. Vamos cantar, orar, termos comunhão, proclamar a Palavra de Deus em toda parte e até em todo o mundo através desta oportunidade de transmissão ao vivo que temos", enfatizou o pastor.

Comentando sobre igrejas — grandes e pequenas — que optaram por fechar até janeiro, MacArthur disse: "Não tenho como entender que, além de não saberem o que é uma igreja e não pastorearem seu povo, isso é triste”.

"E você tem muitas pessoas no cristianismo, que parecem ser líderes significativos, que não estão dando nenhuma força e coragem à Igreja, elas não estão se levantando e pedindo aos cristãos que sejam a Igreja no mundo como eu disse no domingo", afirmou.

O pastor também comentou a "desinformação" sobre sua igreja e ministério em relação ao Programa de Proteção ao Pagamento (algo semelhante a um auxílio emergencial, dado pelo governo federal a organizações religiosas por continuarem fechadas e sem arrecadar).

Ele esclareceu que o governo federal “nos enviou dinheiro; nós não recebemos esse dinheiro. Enviamos de volta ... Não recebemos um centavo do governo federal”.

Contexto

A Califórnia continua vendo um aumento nos casos de coronavírus. Ele registrou um recorde de 215 mortes por Covid-19 na sexta-feira. O total de casos confirmados até o momento é de 516.000 e mais de 9.000 mortes foram registradas no estado. Em meio à onda, Newsom fechou indefinidamente igrejas e outros negócios em mais de 30 dos 58 municípios do estado.

Algumas igrejas, incluindo a Destiny Christian Church em Rocklin, disseram que ainda se reuniriam para o culto.

Em uma declaração anterior, MacArthur e os anciãos da igreja disseram que "respeitosamente informam nossos líderes cívicos de que excederam sua jurisdição legítima, e a nossa fidelidade a Cristo nos proíbe de observar as restrições que eles querem impor em nossos cultos corporativos".

“Os funcionários do governo não têm o direito de interferir nos assuntos eclesiásticos de maneira a minar ou desconsiderar a autoridade dada por Deus a pastores e anciãos”, escreveu MacArthur. "Conformidade seria desobediência aos mandamentos claros de nosso Senhor".

A Grace Community Church está se esforçando para acomodar todas as pessoas, pois apesar de realizar os cultos presenciais, tem tomado várias precauções de segurança em razão da pandemia.

Cerca de mil assentos extras serão mantidos do lado de fora do prédio da igreja para aqueles que desejam sentar ao ar livre. A igreja também fornecerá produtos como alcool em gel para desinfecção das mãos e máscaras para quem precisar.

MacArthur observou que eles querem ser o mais "graciosos possível para o maior número de pessoas possível" e ser acolhedores com todos, não importa se as pessoas querem permanecer em casa e assistir online ou ir à igreja e assistir pessoalmente, dentro do templo ou do lado de fora, ao ar livre.

"Não queremos que ninguém se sinta indesejável. Não queremos que ninguém se sinta um estranho, porque fica sentado do lado de fora ... Tudo bem. Isso é temporário", disse ele.

Fonte: Guiame

Preso o líder da igreja ligada à expansão do coronavírus na Coreia do Sul

Preso o líder da igreja ligada à expansão do coronavírus na Coreia do Sul

As autoridades sul-coreana prenderam no sábado, 1º de agosto, o líder de uma seita religiosa secreta como parte de uma investigação sobre alegações de que a igreja prejudicou a resposta do governo contra o novo coronavírus depois que milhares de fiéis foram infectados entre fevereiro e março.

Promotores na cidade central de Suwaon têm questionado Lee Man-hee, 88 anos, presidente da Igreja de Jesus Shincheonji, sobre acusações de que a igreja ocultou o caso de alguns membros e fez reuniões escondidas para evitar quarentenas mais amplas.

O Tribunal Distrital de Suwon, no início do sábado, concedeu o pedido dos promotores para prender Lee devido a preocupações de que ele pudesse alterar provas.

Lee e sua igreja negaram firmemente as acusações, dizendo que estão cooperando com as autoridades de saúde. Seu porta-voz, Kim Young-eun, disse que a igreja fará o possível para que “a verdade seja claramente provada em tribunal”.

Mais de 5.200 dos 14.336 casos de covid-19 da Coreia do Sul foram ligados à igreja até agora. Sua filial na cidade de Daegu, no sul do país, emergiu como o maior aglomerado depois que as infecções aumentaram no final de fevereiro.

As autoridades de saúde usaram um programa agressivo de teste e quarentena para conter o surto em Daegu e cidades próximas até abril, mas o país viu um ressurgimento do vírus na área metropolitana de Seul desde o final de maio.

No sábado, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul registraram 31 casos confirmados recentemente. Pelo menos 23 deles estavam vinculados a chegadas internacionais.

Fonte: AP via UOL

Justiça aplica multa por aglomeração em enterro de pastor presidente da Assembleia de Deus

Justiça aplica multa por aglomeração em enterro de pastor presidente da Assembleia de Deus

Em decisão que determinou a prorrogação da quarentena obrigatória, na quinta-feira (23), o juiz da Vara Estadual da Saúde Pública de Mato Grosso, José Luiz Leite Lindote, afirmou que a aglomeração de 5 mil pessoas no sepultamento do pastor Sebastião Rodrigues de Souza, líder da Assembleia de Deus no estado, no dia 8 deste mês, contribuiu para disseminação do coronavírus.

Por causa disso, ele multou o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, em R$ 200 mil, e o secretário de Ordem Pública da Capital, Leovaldo Emanoel Sales da Silva, em R$ 100 mil, por descumprimento de decisão judicial.

“Pelo seu passado louvado e trabalho realizado em prol da comunidade é digno e merecedor das maiores homenagens, mas efetivamente o momento não foi apropriado, pois sem dúvida contribuiu para disseminação do vírus”, diz o magistrado, na decisão, se referindo ao pastor que faleceu com Covid-19, em Cuiabá.

Em nota, a Prefeitura de Cuiabá informou que o prefeito Emanuel Pinheiro irá tomar conhecimento da íntegra da decisão e, após ser formalmente notificado, irá se manifestar, assim como o secretário.

Para o juiz, houve omissão por parte do prefeito e do secretário, pois eles deveriam impedir qualquer tipo de aglomeração e que trataram o sepultamento do pastor como um ato excepcional.

Na decisão, o juiz prorrogou por mais 14 dias a quarentena obrigatória nos municípios de Cuiabá e Várzea Grande.

A decisão passou a contar a partir da meia noite da sexta-feira (24).

Cuiabá e Várzea Grande estão em quarentena desde 22 de junho, quando o juiz Lindote determinou que os prefeitos cumprissem o estabelecido no artigo 5º do Decreto Estadual nº 522/2020, que prevê uma série de medidas restritivas para municípios de risco alto ou muito alto de contaminação pelo coronavírus.

No entendimento do magistrado, o prefeito Emanuel Pinheiro descumpriu a decisão judicial em dois momentos.

No primeiro por demorar a publicar Decreto Municipal nos moldes do decreto estadual, visando o bem comum, “visto que ficou mais preocupado em recorrer da decisão do que efetivamente cumpri-la”.

Segundo o magistrado, a demora criou uma insegurança jurídica e motivou os munícipes cuiabanos a descumpri-la.

Fonte: G1

“Eu sou a lei de Deus”, diz pastor que aglomerou fiéis em igreja e descumpriu toque de recolher

"Eu sou a lei de Deus", diz pastor que aglomerou fiéis em igreja e descumpriu toque de recolher

Na noite da quinta-feira (30), uma igreja na cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul , descumpriu o toque de recolher e aglomerou pessoas sem máscaras.

Segundo o G1, o pastor da igreja disse à equipe de fiscalização que “O Covid não existe, quem manda aqui é Deus”.

Agentes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) flagraram a igreja funcionando fora do horário permitido. Ao entrarem no local, fiscais contabilizaram cerca de 60 pessoas no local, o que desrespeita o limite de 30% da capacidade.

Ao ser abordado pelos fiscais, que pediram para que o culto fosse encerrado, o pastor ofendeu os servidores, chamando-os de “corruptos, ladrões, assaltantes” e dizendo que eles só queriam  dinheiro.

Ao ser alertado que estava desobedecendo a lei, o pastor disse que ele era a lei de Deus. “Eu tô na lei de Deus, de Jesus. Vocês são a lei da terra, do homem, eu sou a lei de Deus”.

O pastor finalizou dizendo que a Covid-19 não existe e que quem manda na igreja é Deus e “não promotor, prefeito ou governador”.

Segundo informações da Guarda Municipal, o pastor se recusou a assinar um auto de infração e rasgou o documento na frente dos fiscais. Segundo o G1, houve tumulto durante o episódio, o que impossibilitou a prisão em flagrante do pastor.

Operação Toque de Recolher

Desde o início da implantação das medidas restritivas em função da Covid-19, a prefeitura de Campo Grande tem realizado operações de fiscalizações ao cumprimento dos decretos. Tudo para evitar aglomerações e consequentemente a proliferação do novo coronavírus.

Desde então, diversas pessoas foram abordadas nas ruas durante o toque de recolher. Festas já foram encerradas e comerciantes orientados a fechar as portas dos estabelecimentos. A maioria, segundo a Guarda Municipal e Semadur, segue as orientações sem contestações.

Somente na noite de quinta-feira (30), foram 83 estabelecimentos comerciais abordados. Destes, 36 receberam apenas orientações e 6 foram vistoriados.

Além dos comércios, a equioe visitou 6 residências e 56 pessoas precisaram ser abordadas e orientadas a retornarem para suas casas.

Como resultado das vistorias, um estabelecimento comercial foi autuado por falta de alvará e outro foi interditado pela Vigilância Sanitária.
Fonte: Polêmica Paraíba e G1

Silas Malafaia é alvo de ação por transfobia, após criticar campanha com Thammy Miranda

Silas Malafaia é alvo de ação por transfobia, após criticar campanha com Thammy Miranda

Após ir às suas redes sociais para pedir boicote à empresa Natura por sua decisão de colocar o ator transgênero Thammy Miranda em seu comercial dos Dias dos Pais, o pastor Silas Malafaia foi alvo de uma representação criminal por transfobia.

O presidente da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo (Advec) escreveu que “colocar uma mulher para fazer papel de homem no Dia dos Pais. Uma afronta aos valores cristão”.

De acordo com a Aliança Nacional LGBTI+, que moveu a ação contra o pastor, trata-se de “uma sequência de declarações de ódio exaradas pelo representado que verdadeiramente afiam as facas daqueles que cometem crimes de sangue contra a população LGBTI brasileira".

Malafaia publicou ainda um vídeo do vereador Alexandre Isquierdo (DEM-RJ), onde ele chama Thammy de "ela", "garota propaganda", "mulher" e afirma que a Natura está querendo "promover isso como figura paterna".

"Ela pode ter feito uma transformação hormonal, mudou a aparência, mutilou seu órgão genital, mas isso é um problema dela, é a vida dela. O que não pode é a Natura promover isso como uma figura paterna", diz Alexandre no vídeo compartilhado por Malafaia. O pastor também afirmou que concorda com o vereador.

Malafaia publicou um vídeo onde afirma que "não adianta a mídia tentar deturpar a realidade". Silas voltou a dizer que Thammy é uma mulher.

Fonte: Guiame

“Uma das piores consequências do medo é que ele afasta a presença de Deus”, alerta pastor

"Uma das piores consequências do medo é que ele afasta a presença de Deus", alerta pastor

Em tempos de pandemia, uma outra doença tem afetado grande parte do mundo: o medo. Em um culto transmitido na última terça-feira (28), o pastor Joel Engel fez um alerta sobre os bloqueios gerados por este sentimento.

“Uma das piores consequências do medo é que ele afasta a shekinah, a presença de Deus. Porque o medo é uma fé negativa, fé que vai dar tudo errado, fé que o pior irá acontecer. E tudo o que depositamos nossa fé tem poder”, explicou o pastor.

Os discípulos de Jesus também foram tomados pelo medo. O livro de João relata que eles navegavam em direção a Cafarnaum, mas o mar ficou muito agitado. De repente viram Jesus caminhando sobre as águas, em direção ao barco, e ficaram aterrorizados. Mas Jesus lhes disse: “Sou eu! Não tenham medo”.

“Jesus usa a palavra ‘sou’ para se apresentar aos discípulos. Essa palavra nos leva para Êxodo, quando Deus se apresenta para Moisés na sarça ardente”, observa Engel. “Quando Deus se apresentou a Moisés para enviá-lo ao Egito, ele sentiu medo”.

O pastor continuou: “Moisés perguntou a Deus como deveria apresentá-Lo aos egípcios, e Deus disse a Moisés: ‘Eu Sou o que Sou’ (Êxodo 3:14)”.

“O que você deseja que eu seja, eu serei. Se você tem sede, Eu serei água. Se você tem medo, Eu serei a coragem. Se você está doente, Eu serei a cura. Se você tem fome, Eu serei o pão”, acrescentou Engel.

Por isso, o pastor acredita que há um impacto muito grande quando as pessoas depositam sua fé no medo. “Porque Deus vai se manifestar em nossas vidas de acordo com o que eu espero que Ele seja”, disse.

“É muito importante você perguntar a si mesmo qual é a razão do medo. Nós realmente confiamos em Deus e O vemos como alguém extraordinário, poderoso, que tem o nosso destino em Suas mãos?”, ele questionou.

O pastor observou ainda que, quando Jesus se apresentou, os discípulos se acalmaram, o receberam no barco, e logo chegaram à praia para a qual se dirigiam (João 6:21).

“Quando Jesus entra no barco, logo você chega ao seu destino. O segredo aqui está em receber e entender quem é Jesus, tirar o temor, e colocar no lugar do medo a fé e a confiança”, aconselhou.

“Quando uma criança está chorando ou tem medo, você já observou que os pais a pegam no colo e abraçam? Ou seja, o amor combate o medo”, destacou. “Deus nos criou com um destino. Deus nos criou para chegar do outro lado. Deus fez essa trajetória porque Ele sabe aonde quer te levar, mesmo que as tempestades tentem te impedir”.

Mais ministrações como esta podem ser encontradas nos canais oficiais do Ministério Engel.
Fonte: Guiame

Pastor ajuda jovens carentes a construir relacionamento com Jesus: “Deus falou comigo”

Pastor ajuda jovens carentes a construir relacionamento com Jesus: "Deus falou comigo"

O pastor Terrence Wallace, de Chicago, fundou o Projeto InZone para ajudar jovens dos bairros mais carentes da cidade a viver uma vida melhor. Atualmente, ele assumiu a tutela dupla de vários adolescentes e os levou para sua família em Wauconda, Illinois.

Em 2011, ele lançou o projeto inicialmente depois que o dever de casa de seus filhos o inspirou a ajudar os adolescentes de Chicago.

"Meus filhos na Nova Zelândia tiveram que voltar para casa e escrever ensaios sobre violência e gangues de Chicago", disse Terrence. “Esses ensaios eram basicamente sobre negros, homens em particular em Chicago. Quando voltei [para Chicago], não conseguia olhar o que estava acontecendo e não fazer nada".

Adolescentes de Chicago

Com muito melhor educação, lar e oportunidades nos subúrbios em comparação com a cidade, Terrence e sua família esperam proporcionar uma vida melhor a esses rapazes. Atualmente, a família vive em uma grande casa suburbana em uma comunidade com brancos.

"Por causa de estereótipos e conotações negativas em torno de crianças negras e pardas, há resistência dos municípios, mas não tanto na comunidade", acrescentou. "Mas quando as pessoas se aproximam das crianças e as conhecem, os estereótipos sempre desaparecem."

Os jovens que participam do programa frequentam escolas locais e oferecem devocionais diários. Os pais e responsáveis ​​legais desses adolescentes estão constantemente envolvidos no processo.

Elementos cristãos

Embora os fundos primários tenham vindo de Terrence, dono de uma empresa de tecnologia, as doações são muito necessárias para o projeto. No entanto, eles não permitem doadores descontentes com o aspecto religioso do projeto.

“Tudo começou porque Deus falou comigo para fazer isso. Eu tive que recusar o financiamento porque as pessoas queriam não ter o aspecto espiritual, mas eu não posso fazer o InZone sem apresentar o elemento Cristo.”

Fonte: Guiame

"Onde houver doença, existe oportunidade para Deus exibir sua glória", diz Max Lucado

"Onde houver doença, existe oportunidade para Deus exibir sua glória", diz Max Lucado

O renomado pastor e escritor Max Lucado fez um vídeo respondendo sobre uma série de perguntas sobre como obter a cura orando a Deus.

Lucado diz que “podemos ir ao nosso Pai celestial e pedir que ele nos cure, porque ele quer que sejamos inteiros. Ele quer que sejamos inteiros, não apenas em nosso espírito e alma, mas também em nosso corpo”, afirma o autor de “A graça bate a sua porta”.

“Lembre-se, a grande ideia da Bíblia é restabelecer o Jardim do Éden, para nos levar de volta ao que éramos”, afirma.

Para melhor explicar isso, o pastor traz o entendimento sobre a criação de Adão e Eva: “Eles não lutaram com bursite, problemas na coluna ou dor no pescoço”.

Lucado diz que “onde quer que haja uma doença, há uma oportunidade para Deus exibir sua glória. E onde nos enredamos é quando Deus exibirá sua glória? E até que ponto seremos curados?”

Em um de seus livros, Lucado lembra que a doença está sob o domínio de Deus. “Ele não criou, mas ainda tem autoridade sobre isso. Portanto, no livro eu digo que você pode esperar ser curado.”

Sobre as expectativas que os cristãos têm de serem curados por Deus, o escritor diz: “Você será curado imediatamente? Acredito que sim. Você será curado gradualmente? Isso acontece com bastante frequência. Mas todos nós seremos curados no final das contas, e não é possível dizer que nossa cura acontecerá do outro lado da morte. Essa é a cura definitiva. Podemos ter certeza absoluta de que a cura virá”.

Lucado diz que se Deus cura alguém gradualmente, isso significa que essa aflição em particular está sendo usada para a glória dele, para o desenvolvimento de seu caráter, talvez como um sermão.

Ele dá o testemunho de uma pessoa de sua igreja: “Um dos homens de nossa igreja luta com um problema muscular há muitos e muitos anos. Mas ele é um exemplo. Todos nós admitimos pessoas que nos inspiram através de suas aflições. Então, isso poderia ser parte de seu testemunho.”

Sobre o caso do amigo, o autor de “Dias melhores virão” explica que “Deus ainda o está curando”.

Lucado acredita que “todos nós seremos curados. Portanto, durante a oração, é essencial conversar com Deus sobre o que nos machuca fisicamente. E deixar Deus falar com isso para nos confortar, para trazer sabedoria para essa parte de nossas vidas”.

"Onde quer que haja doença, existe uma oportunidade para Deus exibir sua glória", diz Max Lucado.

Fonte: Guiame

Pastor César Augusto se defende da acusação de formar rede de desinformação sobre coronavírus

Pastor César Augusto se defende da acusação de formar rede de desinformação sobre coronavírus

O pastor César Augusto, da Associação Fé Perfeita, sedeada em João Pessoa, capital da Paraíba, publicou no Youtube, um vídeo onde se defende do que ele chamou de “matéria difamatória e mentirosa” publicada originalmente pleo jornal O Estadão e replicada por diversos meios de comunicação, inclusive o Folha Gospel.

Na matéria, o pastor foi incluído entre os líderes religiosos acusados de formar uma rede de desinformação sobre coronavírus no Brasil.

No site da Fé Perfeita, que pertence ao seu ministério, diz que “o jornalista contactou o pastor César Augusto e ele respondeu todas as perguntas que foram feitas. Mas ao publicar a matéria, já começa afirmando que ele faz parte de rede de desinformação. No dicionário, rede é: ‘conjunto de pessoas, órgãos ou organizações que trabalham em conexão, com um objetivo comum'”.

“Ao conotar que ‘religiosos formam rede de desinformação contra o covid-19’, vinculando a imagem do pastor na capa da matéria, o autor induz no leitor que existe uma conexão, deliberada ou acidental, tácita ou expressa entre estas entidades religiosas. ‘Quero postar aqui a minha indignação, porque a associação Fé Perfeita e a minha pessoa, nada tem a ver de ligação com estes outros pastores e líderes que são apresentados nesta matéria’ disse o pastor, e completa dizendo que ‘isto é uma desinformação e uma matéria difamatória'”.

A matéria diz também que o pastor César Augusto seria “um dos líderes evangélicos simpáticos ao presidente Jair Bolsonaro”.

Em sua defesa, seu site Fé Perfeita diz que “quanto a isto, pastor César afirma que é ‘apartidário e apolítico’. O fato de citar presidente Bolsonaro durante a pandemia não o coloca como bolsonarista. Ele sempre ensinou as pessoas a respeitar as autoridades constituídas e ‘sempre trabalhou para apoiar as decisões que são tomadas pelas autoridades’. Por isso, esta é outra afirmação difamatória.”

“Ele mencionou sua fala no culto do dia 08/04/2018, culto intitulado ‘Deixando os rudimentos’ e disponível no canal da Fé Perfeita no Youtube. Neste culto, o pastor César disse que tomou ciência da prisão do ex-presidente da república, Luis Inácio Lula da Silva, e ao se levantar para orar, pediu a Deus que tivesse misericórdia dele. ‘Nunca fui favorável ao governo deste homem, às ideias, mas não desejei e nem desejo que ele passasse por aquele momento’”, continua.

“Desta forma, fica bem claro que o pastor César Augusto não está do lado de ‘A’ ou de ‘B’, mas sempre procurou respeitar a autoridade constituída da nação”, conclui.

Sobre o fato de minimizar a pandemia, o pastor César Augusto disse que suas igrejas ficaram fechadas entre 87 e 120 dias, dependendo da cidade, e que muitos eventos foram cancelados.

“Ao associar a imagem do pastor César Augusto à matéria, novamente fica clara a intenção do jornalista em induzir o leitor a crer que o pastor depreciou as medidas sanitárias e desrespeitou os requerimentos legais em função de sua fé. O que claramente constitui uma inverdade. Algo completamente sem fundamento.”

“A igreja de João Pessoa ficou com suas portas fechadas, respeitando as determinações, durante 87 dias. A igreja de Recife ficou 100 dias de portas fechadas. As igrejas de Campina Grande e de Brasília, ficaram 120 dias fechadas. Foram cancelados muitos eventos ao redor da nação para respeitar o que as autoridades haviam determinado.”

“O pastor César Augusto realizou pregações na igreja de João Pessoa, sem nenhum membro presente. Foram realizadas mais de 150 lives e cultos para dar suporte emocional e psicológico para as pessoas e mostrar que Deus é muito maior do que qualquer pandemia. ‘Se a sociedade perdeu a fé, esta não é uma causa minha’ disse o pastor.”

A matéria do Estadão diz ainda que os líderes evangélicos simpáticos ao presidente Jair Bolsonaro “divulgam histórias de curas mirabolantes e prevenções caseiras que têm o poder de tirar o foco de ações efetivas contra a doença”. O site Fé Perfeita deixa claro que “o pastor César não vende ou divulga qualquer coisa que prometa uma cura mirabolante”.

“Acreditamos que o único capaz de curar é Deus. O pastor César Augusto seguiu todas as diretrizes e trouxe profissionais da área da saúde para ajudar as pessoas, com informações científicas. O pastor entrevistou médico com atuação e especialização na área imuno-nutricional e uma enfermeira com residência, mestrado e com doutorado em curso na área de infectologia. Logo, pessoas facultadas cientificamente para orientar e esclarecer nosso público”, diz o site do pastor.

A matéria também diz que o pastor César Augusto profetizou o fim da pandemia do novo coronavírus.

“Essa foi uma total mentira. O jornal noticiou como sendo literal, fala de pregação do dia 17 de março: ‘O que eu vejo é que daqui para frente pessoas que estavam sendo analisadas como suspeitas (de ter covid-19) vão começar a dar negativo’. Esta fala foi modificada no seu início para dar impressão de que o pastor fez uma profecia. Mas a fala literal do pastor, que pode ser conferida em vídeo é: ‘Eu disse e acredito que o que nós vamos ver de agora pra frente é assim: pessoas que estavam sendo analisadas como suspeitas, vão começar a dar negativo’”.

“Assim fica bem claro que não se tratou de uma profecia, como dita pelo autor da matéria. Mas daquilo que o pastor ACREDITAVA. E se você verificar, na publicação desta matéria, temos dados oficiais do governo que indicam que quase 1,5 milhão de pessoas já foram recuperadas desta doença.”, afirmou.

“Temos certeza que é muito grande a dor de todas as famílias enlutadas. Também nos machuca saber que, este mesmo site do governo nos informa que morreram no Brasil cerca de 80 mil pessoas. Isso não deixa ninguém feliz. Mas conforme disse o pastor ‘estamos oferecendo a todos aqueles que nos seguem, um refúgio, uma proteção em Deus’. Este é o verdadeiro papel de um pastor no momento em que estamos vivendo.”, concluiu.

Sobre a citação na matéria de que o pastor César Augusto seria simpatizante do presidente Jair Bolsonaro ele diz que “nunca recebeu um único político sequer em sua igreja. Nunca foi apoiador de nenhum político, mas sempre buscou ter equilíbrio ao falar de qualquer autoridade”.

“O pastor César Augusto afirma que nunca recebeu um único político sequer em sua igreja. Nunca foi apoiador de nenhum político, mas sempre buscou ter equilíbrio ao falar de qualquer autoridade. No culto do dia 28/10/2018 deixou claro, em período de eleições, que ‘estamos caminhando para uma era futura, em que o Rei dos Reis irá governar e não podemos ter nossa maior esperança no governo de Bolsonaro’”.

“Em outra oportunidade, disse: ‘Nem Dilma, nem Aécio me dá comida. Nem me dá roupa e nem me dá proteção. Mas quem faz isso desde que eu nasci é o Senhor nosso Deus’ falou nas eleições de 2014, no culto do dia 26/10 daquele ano.“

“Estes cultos estão no canal da Fé Perfeita no Youtube, a disposição de todos. Dentro dessa linha de raciocínio, ele exemplifica: ‘sou calvinista quando ele está com a Bíblia e sou armeniano quando o armênio está com Bíblia’. E sua linha política é: ‘quando o presidente acertou, está certo. Quando errou, está errado. Eu não faço política!’”, concluiu.
Fonte: Fé Perfeita e Estadão

Líderes religiosos formam rede de desinformação sobre coronavírus no Brasil, diz jornal

Líderes religiosos formam rede de desinformação sobre coronavírus no Brasil, diz jornal

São Paulo – Celebridade gospel em João Pessoa, o pastor César Augusto, da Associação Fé Perfeita, aproveitou um culto transmitido pela internet, em 17 de março, para profetizar o fim da pandemia do novo coronavírus. “O que eu vejo é que daqui para frente pessoas que estavam sendo analisadas como suspeitas (de ter covid-19) vão começar a dar negativo”, disse aos seus seguidores. “O diabo pode colocar a viola no saco”, sacramentou. Um dia antes, o País registrava a primeira morte pela doença. De lá para cá, mais de 2 milhões de brasileiros foram infectados e 76 mil morreram.

Ele é um dos líderes evangélicos simpáticos ao presidente Jair Bolsonaro que, nos canais e aplicativos de mensagens, minimizam a pandemia e divulgam histórias de curas mirabolantes e prevenções caseiras que têm o poder de tirar o foco de ações efetivas contra a doença. Um estudo sobre a desinformação no YouTube apontou que uma rede formada por outros religiosos atingiu, em 47 dias, 11 milhões de visualizações só em vídeos que citavam o novo coronavírus.

Os conteúdos incluíam sermões que minimizavam a doença, pregações de teorias conspiratórias, informações enviesadas e de desqualificação da ciência. O levantamento foi feito entre 1.º de fevereiro e 17 de março, numa etapa antes das primeiras mortes. No dia 11 de março, o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já anunciava que o Brasil viveria pelo menos “20 semanas duras”.

O dossiê foi elaborado por pesquisadores do Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário (Cepedisa) da USP, do Centro de Análise da Liberdade e do Autoritarismo (LAUT) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD) “É comum que autoridades não científicas se valham de suas posições hierárquicas dentro da sua rede (religiosa, por exemplo) para questionar orientações do sistema de peritos (mídia, universidades, organizações internacionais, agências especializadas) e respaldar teorias conspiratórias”, destaca o relatório.

A atuação dos pastores é protegida pela liberdade religiosa e cumpre papel consolador em tempos de crise, mas em alguns casos ultrapassa a fronteira da fé, avaliam especialistas. Em Porto Alegre, um cartaz que ganhou as redes sociais, da Igreja Catedral Global do Espírito Santo, do pastor Silvio Ribeiro, virou caso de polícia por prometer um "óleo consagrado para imunizar contra qualquer tipo de pandemia, vírus ou doença". O evangélico pediu desculpas. A polícia apura o crime de charlatanismo. “É uma questão de saúde pública. Ninguém está desmerecendo a fé de nenhuma religião. Sabemos que a fé ajuda as pessoas, mas a saúde e a medicina devem prevalecer”, afirmou a delegada gaúcha Laura Rodrigues Lopes.

Diante das recomendações de isolamento social, o pastor Renê Terra Nova, do Ministério Internacional da Restauração, de Manaus, atuou contra o recolhimento e foi às ruas engrossar manifestações de apoio a Bolsonaro. Ele defendeu que, neste tempo de pandemia, os fiéis deviam procurar os templos. Em junho, Terra Nova integrou um grupo de pastores que viajou a Brasília para encontro com o presidente.

Distorção

Com mais de um milhão de inscritos em seu canal no YouTube, o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, é mencionado pelos pesquisadores como um líder religioso que disseminou informações distorcidas. Em um vídeo visto mais de 500 mil vezes, o aliado de Bolsonaro cita nota da Sociedade Brasileira de Infectologia para corroborar seu ponto de vista, segundo o qual apenas cidades com mais de mil casos confirmados da doença deveriam ser submetidas a isolamento social. Para ele, há “terrorismo emocional” nos alertas sobre a doença e os evangélicos precisam usar a “arma” do “poder da oração e da fé”

Contudo, Malafaia recorre, segundo os pesquisadores, a um “uso seletivo” da ciência ao ignorar que a mesma nota fazia recomendação contrária à cloroquina, droga propagandeada por governistas, e alertava para o fato de 15% dos casos da doença evoluírem para um patamar de gravidade. Ao Estadão, Malafaia rechaçou seletividade e imperícia em seus pronunciamentos. “A ciência não disse assim: ‘A doença vem por aqui e para combater é assim’. Doutores, PhDs, dizem ‘quarentena funciona, não funciona, cloroquina funciona, não funciona’. A bagunça não vem das autoridades. Vem da própria ciência”, disse.

O canal de inspiração católica do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, com vídeos que passam de 150 mil acessos, sugere que o vírus seria um grande laboratório social no qual a humanidade foi propositalmente metida. “Esse canal hoje vai mostrar (…) uma verdadeira manobra de engenharia social, de guerra psicológica, revolucionária”, afirma, no vídeo, Frederico Viotti À reportagem, ele disse que todas as opiniões que emite são “fundamentadas em estudos”, embora o canal “não tenha viés acadêmico”. Ele atribuiu a citação no estudo a “nítida perseguição ao pensamento conservador”.

A minimização da pandemia não é unânime entre evangélicos. Pastor em São José dos Campos, Franklin Ferreira dirige um seminário que forma religiosos e preside a Coalizão pelo Evangelho, cujo conselho é formado por 18 representantes de diferentes igrejas. Ele suspendeu suas atividades presenciais em 14 de março. “A Bíblia ensina que a prudência é filha da sabedoria. Isso significa que a postura do cristão não é norteada por credulidade ou incredulidade, arrogância ou desprezo. Diante de um discernimento cuidadoso da realidade e das vítimas da pandemia, o cristão é chamado a atuar com maturidade, habilidade e bom julgamento”, disse.

Audiência

Vídeos em que líderes religiosos falam de catástrofes são sucessos de audiência. Publicado em 18 de março, o vídeo Deus avisou, profecia para 2020, produção com o pastor Gilmar Fiuza, da União de Mocidades da Assembleia de Deus de Brasília, tem 800 mil visualizações.

Com orações que conjugam palavras incompreensíveis, pulos e olhos fechados, ele e a pastora Carla Teixeira transmitem o que seria uma mensagem divina: “Estou revestindo meu povo porque será um ano de dificuldade, mas o meu espírito vai fortalecer a minha Igreja”.

Fiuza mandou dizer que não se manifestaria. Silvio Ribeiro não foi localizado. Renê Terra Nova foi acionado por meio de telefone e e-mail que exibe em suas páginas, mas não houve retorno. O Palácio do Planalto não comentou a atuação de pastores. O pastor César Augusto afirmou que sempre seguiu orientações sanitárias e explicou que ao sacramentar a “derrota do demônio”, em março, preocupava-se com a “saúde mental” dos fiéis num momento em que “informações desencontradas” e “pânico” bombardeavam os lares.

4 perguntas para Silas Malafaia

1. Nos sermões sobre a pandemia, o senhor busca balancear pontos de vista religioso e científico ou a visão bíblica sempre deve predominar?

A ciência não contraria nada da Bíblia. Jesus falou: ‘Os sãos não precisam de médicos, mas os doentes’. Jesus não menosprezou a medicina, não menosprezou a ciência. Menosprezar o conhecimento e a ciência é ser alienado.

2. A ciência hoje diz “não se aglomere”, “fique em casa”, “use máscara”. Quando o senhor trata a pandemia como histeria não nega a ciência?

Nunca tratei como histeria. Tratei que é uma escolha de Sofia. O que é menos danoso? A pandemia ou o caos social? Querem pegar a igreja evangélica como bode expiatório.

3. O senhor critica a imprensa por reportar mortes.

(A imprensa) Mostra o número de mortos todo dia, ok. Mas mostra o número de recuperados? Não. Porque o vírus no Brasil virou político. Pra mim, toda morte é uma tragédia. Eu não suporto esse negócio de número de morto.

4. Como avalia a conduta do presidente Jair Bolsonaro na pandemia?

Eu até acho que certas falas do Bolsonaro… Não concordo com elas. Sou aliado e não alienado. Acho que, como presidente, poderia trazer palavra de ânimo, de otimismo, sem levar para o viés de ‘não tem nada’. Vou dizer que em tudo o que presidente falou ele acertou? Claro que não, não sou estúpido. Mas o que parece é uma torcida: ‘Tomara que cloroquina mate, porque, se matar, ele tá ferrado’.

Fonte: Estadão via O Dia

Silas Malafaia defende Cassiane após clipe polêmico: “Ela tem uma vida exemplar”

Silas Malafaia defende Cassiane após clipe polêmico: "Ela tem uma vida exemplar"

Na quinta-feira (23), pastor Silas Malafaia defendeu a cantora Cassiane após a repercussão de um clipe que aborda a violência contra a mulher.

O clipe original de “A Voz” foi lançado na semana passada pela MK Music, mas a gravadora decidiu reformular o vídeo e lançou uma nova versão no domingo (19) após receber inúmeras críticas do público que acusou o clipe de romantizar a violência doméstica.

Em um vídeo publicado em suas redes sociais, Malafaia elogiou a carreira da artista e disse que ela tem uma vida exemplar. Ele também chamou a primeira versão do clipe de “infeliz” por trazer apenas uma abordagem espiritual, mas lembrou que muitas vezes só a denúncia não basta.

“De fato o vídeo foi infeliz porque faz apenas uma abordagem espiritual, quando a coisa tem que tomar atitudes de denúncia. Agora, interessante é que muita gente esquece da abordagem espiritual e faz apenas a outra abordagem.”

Diante dos comentários feitos sobre o clipe, a cantora Cassiane decidiu se pronunciar nas redes sociais. A artista contou que foi atacada na internet por causa do vídeo de “A Voz”, que fala sobre a mudança do agressor por meio da fé. Ela disse que as pessoas foram insensíveis, mas sabe que Deus a conhece. Além disso, a pastora da Assembleia de Deus em Alphaville, em São Paulo, ressaltou ser a favor da denúncia.

Malafaia comentou a reação nas redes sociais e lembrou que a cantora tem mais de 30 anos de carreira.

“Querem crucificar a Cassiane por causa de um vídeo que foi mal colocado. Sabe o que está acontecendo hoje? As redes sociais estão vivendo de momentos. Explode, estoura e esculhamba com a história de uma pessoa por causa de um erro. Cassiane tem mais de 30 anos na música evangélica. A garota tem uma vida exemplar, nunca se misturou. Nunca misturou o santo com o profano, como alguns famosinhos aí fazem e ainda recebem aplausos. E uma meia dúzia de crentes linguarudos que falam de um momento errado para crucificar a história de uma pessoa. Vão lavar sua boca”, ressaltou.

O pastor ainda fez críticas às pessoas que atacaram Cassiane e disse que a cantora continua tendo seu apoio.

“Cuidado quando você abrir a boca para atingir a honra de uma pessoa, para falar mal de uma pessoa. Pense bem. Não vamos destruir a vida, a reputação de uma pessoa (…) Cassiane, você continua tendo meu apoio. Você é uma mulher de Deus, que tem uma história linda na Igreja Evangélica brasileira (…) Cuidado quando você abrir a boca para falar, para criticar. Porque o que tem de gente com dor de cotovelo no nosso meio, que não pode ver uma pessoa abençoada. Que tem uma língua peçonhenta para falar mal”, destacou.
A VOZ

Roteirizado pela diretora artística da gravadora, Marina de Oliveira, o clipe aborda a violência doméstica, algo presente em grande parte dos lares do Brasil. Nas cenas, uma mulher apanha e tem o dinheiro roubado pelo marido, que sofre de alcoolismo. Em resposta a uma seguidora, Marina explicou as mudanças e disse que acrescentou cenas explícitas de denúncia da mulher e prisão do homem. Ela disse que acredita na transformação de vidas.

Aliado à nova versão, a MK Music convocou seus seguidores a entrarem em uma campanha contra esse tipo de violência. A gravadora divulgou o telefone 180, que pode ser usado para denunciar esse crime. O número já havia sido divulgado com a primeira versão do clipe. O serviço é grátis e o denunciante tem sua identidade preservada.
Fonte: Pleno News