Recent post

John MacArthur denuncia a guerra atual contra crianças: “Uma cultura para destruí-las”

John MacArthur denuncia a guerra atual contra crianças: “Uma cultura para destruí-las”

O pastor John MacArthur afirmou que a América está numa guerra contra as crianças desde o útero até a adolescência, durante uma série de sermões sobre educação infantil, em sua igreja, a Grace Community, na Califórnia, no primeiro domingo deste mês.

MacArthur exortou os pais cristãos a criarem seus filhos "na disciplina e admoestação do Senhor", frente a uma guerra que envolve mais do que o aborto, no sermão initulado “Fornecendo sombra aos nossos filhos”.

"Há um provérbio chinês que diz que uma geração planta as árvores, a próxima geração fica com a sombra. Cada geração deve compreender a responsabilidade que tem de plantar as árvores para que haja sombra para a próxima geração”, acrescentou, antes de abordar o conflito entre a cultura e a igreja”, introduziu o pastor.

Para John MacArthur, a cultura atual é projetada para destruir as crianças. “O que estamos enfrentando hoje é feroz, vou confessar. Mas de todas as coisas que me perturbam nesta cultura, de todas as influências horríveis, pecaminosas, miseráveis, perversas e corruptas que acontecem nesta cultura, eu acho que o que mais me aflige é a guerra contra as crianças. Esta cultura é armada para destruir crianças. É sistematicamente projetada para fazer isso”, denunciou.

Segundo o pastor, o aborto resultou em 62,5 milhões de bebês "abatidos no útero" desde o caso Roe contra Wade, quando a Suprema Corte dos EUA aprovou o direito ao aborto no país. MacArthur também destacou as consequências do divórcio e da infidelidade nas crianças. 

“É provável que a criança seja enviada para uma escola pública e fique sob a influência daqueles cuja agenda é anti-Deus, anti-Cristo, anti-Escritura”, disse ele. "Como você sabe, nosso país [e] os políticos que o lideram estão fazendo leis que são devastadoras para crianças sob a pressão da liberdade sexual, homossexualidade, transgenerismo. 

O desejo é tornar isso normal e punir as pessoas que falam contra isso com leis na categoria de discurso de ódio. As mentiras do racismo sistêmico e os vigaristas dominam as ideologias das universidades e até mesmo das igrejas”, disse.

O líder cristão também lembrou da má influência da cultura midiática para a infância e para a adolescência. 

"Produtores musicais, cineastas, mídias sociais, fornecedores, grande tecnologia, você escolhe - eles literalmente bombeiam coisas que destroem crianças. As crianças estão sob o ataque implacável de todas as forças do mal e estão indefesas. E nós temos uma sociedade e uma cultura que quer ter a certeza de que aqueles que estão bombeando essa destruição são livres para continuar fazendo isso sem restrições”, alertou MacArthutr.

"As crianças estão indefesas", acrescentou. "Quando seus pais os vendem para um traficante de seres humanos, que os joga de dois a três metros sobre um muro em Sodoma e Gomorra por conta própria. Ou quando a Disney Corporation cria personagens que são transgêneros para seduzir crianças a aceitarem a maldade como normal. Ou quando os pais oferecem insanamente opções de identidade de gênero a seus filhos. As crianças estão sob ataque atualmente”, finalizou.

Pregando com base em Deuteronômio, Josué e Juízes, John MacArthur afirmou que Jesus ama e preza pelas crianças. O pastor também analisou como os israelitas falharam em passar a fé para a próxima geração. E a consequência desta falha foi o sacrifício de seus próprios filhos em rituais pagãos. 

“Deus julga quando uma geração falha em sua responsabilidade de passar a justiça para a próxima”, disse ele.

MacArthur exortou os pais a permanecerem focados em Cristo enquanto criam seus filhos. “Teremos que responder a [Deus] também, pelos pequeninos que ele nos dá. O nosso compromisso de vida é garantir que, à medida que eles crescem e nós os influenciamos, eles venham a ter fé em Cristo, certo? Isso é criar seus filhos na doutrina e admoestação do Senhor”.

Fonte: Guiame

Pastores brasileiros estão estressados por falta de ajuda na pandemia, revela pesquisa

Pastores brasileiros estão estressados por falta de ajuda na pandemia, revela pesquisa

Uma pesquisa revelou que 49% dos pastores brasileiros se sentem estressados ou muito estressados devido ao aumento das demandas ministeriais durante a pandemia. Além de precisarem reinventar o que já faziam anteriormente, os líderes estão lidando com um maior volume de trabalho pastoral.

O estudo foi realizado pela Envisionar com 306 pastores de 45 denominações, de todas as cinco regiões do Brasil, com o propósito de conhecer o grau de estresse causado durante a pandemia da Covid-19 e as maiores necessidades dos líderes evangélicos.

Os 49% dos pastores que se sentem estressados relatam que o motivo é que estão sozinhos ou existem poucos líderes para lhes ajudarem no ministério. A pesquisa afirma que os líderes já estavam cansados antes da crise pandêmica e a situação só se agravou com a Covid-19.

“Muitos deles não suportaram a demanda da pandemia e simplesmente abandonaram suas posições de liderança. Alguns até foram para outras igrejas pela necessidade de se abastecerem. Isto fez com que muitos pastores ficassem ainda mais sobrecarregados”, apontou o relatório da Envisionar.

Os outros 44% dos pastores entrevistados na pesquisa se dizem pouco estressados e apenas 8% afirma não sentir estresse. Parte destes líderes possuem equipes maiores, onde mesmo sob pressão as tarefas são bem divididas. Outra parte são pastores de igrejas muito pequenas, com menos de 50 membros, onde as demandas pastorais são menores.

A falta de novos líderes já é um problema antigo da Igreja brasileira, segundo a Envisionar. O levantamento revelou que para cada 2 pastores ou líderes entre 40 a 60 anos de idade, se tem apenas um pastor ou líder abaixo de 40 anos de idade para substituí-los.

“Este reflexo já tem sido percebido em diversas igrejas que entram em crise por falta de liderança, e acabam vivendo processos de ruptura e não de transição. Na ruptura uma geração de líderes mais idosos segura a liderança até não aguentar mais. A igreja vive uma crise profunda, surge uma nova geração que começa tudo do zero. Na transição, a igreja se preocupa em ter um programa de desenvolvimento constante de líderes e promove a passagem do bastão de uma geração para outra sem que haja descontinuidade”, indicou o relatório.

Para 44,1% dos líderes cristãos que se sentem estressados na pandemia, a solução para o problema é investir na capacitação ministerial da nova geração. 30,3% diz que a mentoria ajudaria neste momento, outros 29,1% pedem aconselhamento, 26,1% terapia, 14,7% consultoria e 11,7% coaching cristão.

O estudo da Envisionar concluiu que: “A ajuda de mentoria ou terapia pode dar direção e equilíbrio de vida. No entanto, se os pastores e líderes não atacarem o desafio de capacitar líderes, suas vidas continuarão estressadas por muito tempo. Este não é um problema que se resolve rápido, mas se o primeiro passo não for dado, jamais será resolvido”.

A Envisionar é uma organização que trabalha para capacitar e ajudar líderes cristãos a cumprirem sua chamada e ministério.

Fonte: Guiame

“O Dia das Mães é cheio de dores e saudade para muita gente”, diz missionária

“O Dia das Mães é cheio de dores e saudade para muita gente”, diz missionária

“O último Dia das Mães que comemorei com minha querida mãe foi em 1991, embora, é claro, eu não soubesse disso na época. Agora nem consigo me lembrar do que aconteceu naquele dia. 

Se eu soubesse como era importante, teria me assegurado de não esquecer de nada”, compartilhou a missionária Jill McGilvray, que colabora em trabalhos pastorais para pessoas em situações de luto, na Austrália.

Ela também preside o Conselho Internacional de Parceiros Langham e por meio desse trabalho tem apoiado os líderes globais da igreja em seus ministérios. Jill conta como perdeu sua mãe e como superou a dor. 

“Quando ela morreu, em março de 1992, minha mãe tinha 67 anos. Eu tinha 34 anos e era mãe de duas meninas de três e cinco anos. Minha mãe sofria de artrite reumatóide severa, que começou como uma dor no pulso quando ela estava grávida e que se agravou três anos depois, durante a gravidez de minha irmã”, lembrou.

Jill conta que sua mãe passou todos os anos com dores crônicas terríveis e foi submetida a várias cirurgias, incluindo a primeira substituição de cotovelo da Austrália, que falhou e, mais tarde, teve que ser removido, deixando-a com uma deficiência significativa.

Sobre a partida de sua mãe

“Eventualmente, seus órgãos falharam como resultado da medicação que foi usada na época e então precisou de uma cirurgia de emergência. Ela não recobrou a consciência após a cirurgia e, depois de uma semana em coma, contraiu septicemia e morreu”, relatou.

“Aprendi então que, mesmo quando você sabe que não há esperança de sobrevivência, sempre é um choque quando alguém que você ama morre. Fiquei assustada e horrorizada com a extensão da minha dor. Achei que nunca iria parar de chorar. Às vezes, até hoje, ainda perco o fôlego”, continuou. 

“Depois disso, embora eu mesma estivesse encantada por ser mãe na época e adorasse pequenos cartões feitos à mão pelos meus próprios filhos, comecei a detestar seriamente o Dia das Mães”, contou.

De acordo com Kill, os anúncios alegres a faziam lembrar de alguém que ela não tinha mais, nem no Dia das Mães e nem em qualquer outro dia. “Cada propaganda desse dia só servia para partir meu coração”. 

Dia das Mães e a pandemia

“Desde então, percebi que o Dia das Mães é cheio de dores para muita gente. É um dia em que o tipo de dor que é mantida sob controle em dias normais pode vir à tona. O Dia das Mães pode nos lembrar de muitas formas de perdas dolorosas. Neste ano de pandemia, muitos foram separados de suas mães”, observou.

Ela destaca, principalmente, o luto daqueles que não puderam se despedir de suas mães devido às restrições impostas pela Covid-19 e também cita o problema do fechamento de fronteiras internacionais.

Outros problemas que causam bastante dor para os filhos são a velhice extrema e o problema da demência das mães muito idosas. “Certa vez, um amigo disse que eu tinha sorte por minha mãe ter morrido jovem, assim eu nunca teria que passar por isso”, comentou. 

E ainda lembrou de mães que são abusivas, sem amor ou ausentes. E das mães que perderam seus filhos precocemente. 

A presença de Deus, apesar da dor

“Mesmo com todos esses pensamentos e em meio às minhas lágrimas, descobri que minha fé em Deus e meu amor pela Bíblia aumentaram. “Trabalhar com crianças enlutadas me ensinou que o Dia das Mães ou o Dia dos Pais é difícil para elas”, citou.

“Sempre me considerei uma pessoa de fé frágil e não tinha certeza se tinha forças para manter essa pequena fé viva. Eu nem entendia o que Paulo quis dizer com suas palavras em 2 Coríntios 12.9 — A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. Portanto, vou me gabar ainda mais alegremente das minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse sobre mim. Agora a minha experiência me mostra a verdade do versículo”, apontou.

“Embora entender isso não me impeça de ficar triste ou sentir saudade da minha linda mãe, agora eu sei que existe uma base sólida e sei que Jesus traz esperança e luz para os lugares mais sombrios que há dentro de nós”, disse.

“Um querido amigo enviou-me um cartão com as palavras de Deuteronômio 33.27: ‘O Deus eterno é o teu refúgio e para segurá-lo estão os braços eternos’. Agarrei-me a essas palavras quando pensei que estava me afogando em lágrimas”, dividiu.

Jill conta que uma de suas amigas, cuja mãe só lhe causou dor, se sente consolada com as palavras de Isaías 49.15-16: “Será que uma mãe pode esquecer do seu bebê que ainda mama e não ter compaixão do filho que gerou? Embora ela possa se esquecer, eu não me esquecerei de você! Veja, eu gravei você nas palmas das minhas mãos”. 

Ao celebrarmos o Dia das Mães, não esqueçamos aqueles que nos rodeiam e que precisam de atenção especial e compreensão. Vamos ajudá-los a saber que são lembrados e vistos, e que Deus promete nos amar e nunca nos esquecer.

Fonte: Guiame

‘O inimigo ataca na identidade para tentar bloquear o propósito de Deus’, ensina pastor

‘O inimigo ataca na identidade para tentar bloquear o propósito de Deus’, ensina pastor

Deus escreveu o destino de cada pessoa em Seu livro, mas muitas são bloqueadas pelo inimigo das nossas almas. De acordo com o pastor Joel Engel, só há uma forma de romper: conhecendo a Deus e descobrindo sua verdadeira identidade.

Para ilustrar, o pastor dá o exemplo de uma pessoa que sai do Rio Grande do Sul com uma passagem aérea para Brasília, mas o avião faz uma conexão em São Paulo. Mas se o passageiro descer em São Paulo, ele nunca vai chegar ao seu destino. 

Engel explica que, muitas vezes, no meio da trajetória, as pessoas são impedidas de chegar ao destino pelo inimigo. “Satanás vai tentar bloquear o seu caminho”, disse ele em culto transmitido ao vivo na terça-feira

Foi isso o que aconteceu com o personagem bíblico Jó, lembra Engel. “Ele era o homem mais rico e próspero do Oriente, até que um dia perdeu tudo: filho, saúde, bens”, observa. “Satanás entrou nas cortes celestiais para falar contra Jó: ‘ele é rico, por isso te serve’”.

A Bíblia diz que Satanás nos “acusa diante do nosso Deus, dia e noite” (Apocalipse 12:10). A palavra adversário no grego é antidikos, que significa “oponente num processo”. Isso quer dizer que o inimigo tem poder legal de levantar uma demanda contra você, assim como fez com Jó, explica Engel.

“No tribunal está o Reto Juiz, que já estabeleceu a trajetória de sua vida. Mas como na Terra existe o livre arbítrio e o homem pecou e caiu, o adversário está atuando nas cortes celestiais, pedindo que seu destino seja bloqueado”, observa o pastor, que descreve Satanás como “o mais astuto de todos os promotores”.

Joel Engel ensina que existe um tribunal no céu, no qual Satanás é o acusador. “A Bíblia diz que Satanás nos acusa 24 horas por dia, é por isso que precisamos de oração 24 horas”.

No entanto, Jesus atua como nosso advogado, que intercede por nós sem cessar. “Jesus é capaz de salvar definitivamente aqueles que, por meio dele, aproximam-se de Deus, pois vive sempre para interceder por eles (Hebreus 7:24-25)”.

Encontre seu destino

Há milhares de pessoas sentindo-se perdidas, sem saberem que há um livro no qual Deus escreveu seu destino, observa Engel. Mas, afinal, como descobrir o propósito da nossa existência?

O pastor responde: “Cada um de nós tem um ministério, um propósito e uma finalidade. Isso está escrito em um livro, e esse livro está dentro de você, no seu espírito”. Isso significa que, quanto mais você se aprofundar em conhecer a Deus, mais você se conhece.

“Ore para que Deus cumpra seus dias na Terra. Não tenha medo. Comece a pesquisar o seu destino nos seus sonhos, naquilo que você gosta, naquilo que você tem paixão”, incentiva o pastor.

Joel Engel também alerta sobre os ataques de Satanás na mente: “O inimigo tem te acusado e colocado pensamentos que te jogam no chão. Quantas palavras negativas você já ouviu… É o inimigo querendo trazer para você o livro dele, mas o livro dele já saiu de circulação. O livro correto é o livro de Deus”.

Por fim, o pastor destaca que existe um único livro onde está escrito a sua identidade no céu, e isso só pode ser encontrado em Deus.

“Quando você descobre quem é você, o livro de Deus se escancara na sua frente, o seu destino se abre, você avança e cumpre o propósito de Deus em sua vida. E nada pode impedir de você chegar aonde Deus planejou”, afirma.

Fonte: Guiame


Nigéria: Filho do Pr. Enoch Adeboye morre aos 42 anos

Nigéria: Filho do Pr. Enoch Adeboye morre aos 42 anos

O pastor Enoch Adejare Adeboye, Superintendente Geral da Igreja Cristã de Deus Redimida (RCCG), um dos ministérios mais proeminentes da Nigéria, perdeu seu filho primogênito, Dare Adeboye.

Pastor de jovens, Dare morreu aos 42 anos. Ele completaria 43 anos em 9 de junho próximo. Segundo relatos, o Pr. Dare ministrou o culto no domingo, 2 de maio, e não deu sinais de estar doente.

Ele morreu durante o sono na quarta-feira, 5 de maio, em Eket, no estado nigeriano de Akwa Ibom, onde morava com sua família. Ele não estava doente nem tomando remédios quando o trágico incidente aconteceu.

De acordo com um relatório não confirmado, ele se retirou para seu quarto na quarta-feira e pediu para não ser incomodado.

Quando sua esposa Temiloluwa Adeboye percebeu as horas incomuns de sono de seu marido e não conseguiu contatá-lo por telefone, ela deu o alarme e ele foi encontrado morto.

O site nigeriano The Trent cita Dare Adeboye como “treinador de vida, líder visionário, motivador e construtor de pontes”.

Seu pai, Enoch Adeboye figura na lista dos 50 principais líderes evangélicos que apoiam Israel,  ao lado de Franklin Graham, John Hagee, Kenneth Copeland, Joseph Prince, Jentzen Franklin e Paula White.

O Pr. Dare deixa esposa e filhos.

Fonte: Guiame

Teólogo diz que pandemia é crucial para volta de Jesus: “Caminhamos para um governo único”

Teólogo diz que pandemia é crucial para volta de Jesus: “Caminhamos para um governo único”

O arqueólogo e teólogo Rodrigo Silva lembrou que já tem mais de 2 mil anos que Jesus fez a promessa de que “em breve voltaria” e até hoje não voltou. “Até quando ficaremos neste mundo enfrentando sofrimentos e desapontamentos, orando e pedindo a Deus por proteção já que estamos cercados de perigos?”, questionou.

Ele publicou uma live em janeiro, em seu canal no YouTube, falando sobre o tema: O que falta para Jesus voltar? “A promessa da segunda vinda de Cristo é um dos assuntos mais repetidos na Bíblia Sagrada e há mais de duas mil referências, diretas ou indiretas, sobre a volta de Jesus e sobre o juízo final, tanto no Antigo como no Novo Testamento”, comentou. 

Jesus em “breve” voltará

“Quão breve é esse ‘breve’?”, Rodrigo questiona ao citar Apocalipse 3.11 — “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa”. O que realmente significa o termo “sem demora” quando mais de 2 mil anos se passaram?

“Entendi que o termo não é especificamente cronológico, mas qualitativo. É como uma grande pedra que se equilibra sobre uma pedra pequena sofrendo a erosão pelo tempo. Ela pode cair a qualquer momento, mas também pode se manter ali por mais mil anos”, comparou. 

O arqueólogo explica que a volta de Cristo não é algo que se pode contar no relógio, porém pode acontecer a qualquer momento. “Sem mencionar que a volta de Cristo pode ser algo individual e acontecer para mim agora, se eu morrer”, exemplificou.

Sinais da volta de Cristo

“Nação se levantará contra nação, e reino contra reino. Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em vários lugares, e acontecimentos terríveis e grandes sinais provenientes do céu. Mas antes de tudo isso, prenderão e perseguirão vocês. Então os entregarão às sinagogas e prisões, e vocês serão levados à presença de reis e governadores, tudo por causa do meu nome.” (Lucas 21.10-12)

Segundo o teólogo, em nosso tempo, quando se lê “pestes” lembra-se imediatamente da Covid-19, mas na Idade Média as pessoas lembravam da peste negra. O mesmo ocorre quando os terremotos são analisados, entre outros sinais. 

“Essas coisas sempre existiram, mas tem uma ênfase em Mateus 24.6 que vale a pena citar: ‘É necessário que tais coisas aconteçam, mas ainda não é o fim.’ Jesus explicou que todos os sinais seriam apenas o princípio das dores, lembrou.

“Esse ambiente apocalíptico nos remete à iminência da volta de Jesus e nos dá um senso de missão, da urgência de ter que falar do Evangelho”, aponta e compara aos momentos que antecedem a um tsunami. “Quem sabe que o mar recua antes da chegada do tsunami não perde tempo em anunciar que ele vai voltar”, disse.

Equilíbrio e ponderação

Rodrigo também cita um ponto importante para os dias atuais. “Não é conveniente também que os cristãos preguem somente sobre a volta de Cristo e não percebam que, hoje, há 19 milhões de pessoas passando fome no Brasil. Não adianta só oferecer a oração para quem está pedindo pão”, frisou.

“Não podemos perder o rumo da história considerando só o amanhã, sem viver o dia de hoje. Estamos vendo o princípio das dores, mas como a Bíblia afirma: ainda não é o fim. Todos os sinais nos lembram que Jesus vai voltar, mas não vão garantir que isso acontecerá agora”, lembrou.

Segundo o arqueólogo, é possível perceber que, de maneira sociológica, o mundo já está preparado, política e socialmente, para que o Anticristo assuma o governo mundial. “Por exemplo, sempre houve epidemias no mundo, mas uma pandemia é a primeira vez. Também é a primeira vez que estão desenhando uma economia mundial. Estamos caminhando para um governo único”, compartilhou. 

O êxodo e a volta de Cristo

Comparando as pessoas do dia de hoje com os hebreus que passaram quarenta anos peregrinando no deserto, sem conseguirem alcançar a Terra Prometida, Rodrigo diz: “Era o tempo propício para conquistarem Canaã, porém o povo saiu do Egito, mas o Egito não saiu dele”, observou.

Quando as pessoas se preocupam demais com sinais externos correm o risco de perder a salvação. “Eles estavam olhando para tudo o que acontecia no Egito e se esqueceram de olhar para o que estava acontecendo dentro deles”, disse.

Esse paralelo é um alerta para as pessoas deste século. “Estamos na iminência de Jesus voltar, mas se olharmos para o ‘Egito’ sem observar o que acontece dentro de nós, pode ser que mesmo estando libertos, seguiremos vagando no deserto do mundo”, concluiu.

Fonte: Guiame

“Deus não quer que o chamado seja um peso para você”, alerta pastor Antônio Júnior

“Deus não quer que o chamado seja um peso para você”, alerta pastor Antônio Júnior

Falando sobre propósito de vida, o pastor e influenciador digital, Antonio Júnior, diferencia dons e talentos de dons espirituais e dá dicas de como alguém pode descobrir o chamado de Deus em sua vida.

“Muitos me perguntam: Pastor, como saber qual é o meu chamado? Como saber quais são os meus dons? Por isso fiz essa pregação”, disse em seu canal no Youtube que tem mais de 7 milhões de seguidores.

Dons e talentos

Segundo ele, o dom é uma capacitação que já nasce com cada ser humano, como um presente de Deus. Enquanto que o talento é algo que se desenvolve ao longo da vida. “Através de muita dedicação e perseverança é possível desenvolver um talento, como um atleta, por exemplo”, explicou.

Sobre o dom espiritual: “O dom é aquele que nasce com você, mas o dom espiritual é quando você nasce de novo, entregando sua vida a Jesus. Nesse novo nascimento, Deus oferece vários dons espirituais”, disse.

Ao citar Efésios 4.11-12, o pastor relaciona também dons espirituais a dons ministeriais [apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres]. “O propósito desses dons é exclusivo para a edificação do corpo de Cristo”, especificou.

“Existem também o dom de línguas, o dom de cura e muitos outros. Devemos usar tudo isso para a glória de Deus, servindo às pessoas. Tem uma frase famosa que diz que uma pessoa que não vive para servir, não serve para viver”, continuou.

Como encontrar o seu propósito?

“Só se encontra o propósito de vida servindo a Deus e servindo ao próximo. Orando, buscando o que você mais gosta de fazer. Se você faz algo que é um peso para você, certamente não é isso o que Deus tem para sua vida. Quem faz o certo sente paz e alegria”, mencionou.

O pastor prossegue dizendo o quanto é bom acordar todos os dias para fazer aquilo o que Deus desejou que fizéssemos. “E nem sempre é algo espiritual, pode ser uma ação social, mas será algo que trará uma satisfação pessoal muito grande”, frisou.

Além disso, Deus só entrega um dom a alguém conforme a capacidade. "Deus é responsável e só delega responsabilidades conforme a capacidade das pessoas. E tudo é entregue conforme a nossa fidelidade, o quanto nos dedicamos e damos o nosso melhor”, disse.

“Não desista da caminhada, seja fiel até o fim”

O pastor explica que a recompensa por exercer um dom não depende da quantidade de pessoas levadas até Jesus, mas da fidelidade a Deus. “O que faz a diferença é o quanto amamos ao Senhor, o quanto nos preocupamos com a obra Dele. Deus nos julgará de acordo com a nossa fidelidade”, esclareceu.

A quem muito é dado, muito será cobrado. “Não deseje o dom de outra pessoa, pois cada um recebe o seu. Muitas pessoas têm um olhar romântico, achando que tudo é perfeito, mas cada pessoa paga um preço por exercer seu dom e sente na pele as aflições, como Jeremias por exemplo”, lembrou.

“Uma coisa é começar algo, outra coisa é se manter em ação, é ter perseverança”, disse ao se referir às pessoas que atuam fora de sua missão. “Muitos querem ganhar o mundo, mas estão perdendo seu coração fazendo aquilo o que não foram chamadas a fazer”, alertou.

“Deus não quer que o chamado seja um peso para você”

“Eu gosto de pensar na vida cristã de uma forma positiva. Quando a Bíblia diz que ‘a quem muito é dado, muito será cobrado’, não é para nos assustar. Deus nos capacita, Ele quer ver tudo dar certo. Ele não quer que o chamado se torne um peso. A vontade do Senhor é boa, perfeita e agradável”, citou.

“Não enterre seus talentos e habilidades por falta de oportunidade, mas crie você mesmo as oportunidades. Deus quer abençoar, basta você pedir sabedoria. Se você não tem ouvido a voz de Deus, talvez seja porque Ele já tenha lhe dado algo e você só precisa executar”, reforçou. 

O pastor finaliza alertando que exercer dons e talentos é de nossa responsabilidade. “A unção e o resultado é com Deus, mas é nosso papel pregar a Palavra, dar bom testemunho e fazer o que estiver ao nosso alcance. Vamos cooperar com Deus e fazer a nossa parte”, concluiu.

Fonte: Guiame

Pastores cubanos têm mensagens censuradas pelo governo na TV e rádio

Pastores cubanos têm mensagens censuradas pelo governo na TV e rádio

Hoje, dia 3 de maio, é comemorado o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Nesta data, há uma reflexão importante sobre a veiculação de notícias de interesse dos cidadãos do mundo inteiro, sem a interferência do Estado. 

Mas, nem todas as pessoas possuem essa liberdade. Em países onde prevalece a paranoia ditatorial, os líderes detém o poder sobre a população e também sobre a imprensa. Dentro desse contexto existe também a intolerância religiosa, porque os governantes desejam a devoção para si mesmos. 

Falta de liberdade de imprensa e de expressão

Cuba é um exemplo de falta de liberdade de imprensa. Pastores foram censurados por uma série de artigos que escreveram criticando o conteúdo da nova Constituição aprovada recentemente no país, conforme a Portas Abertas. 

O jornalista independente, Yoe Suárez, contou ao site de notícias CubaTrendings que os líderes cristãos foram convidados, em 2020, pelo governo a gravarem mensagens de Páscoa que seriam veiculadas pelo Instituto Cubano de Rádio e Televisão (ICRT).

Embora desconfiados, eles enxergaram uma oportunidade de espalhar a mensagem de Jesus nacionalmente. Cada pastor poderia dar um recado individual para a população celebrando o domingo de Páscoa.

Porém, na noite programada para transmitir as mensagens, apenas o reverendo Antonio Santana discursou. Ele é presidente do Conselho de Igrejas de Cuba (CIC), oficialmente apoiado pelo governo cubano.

Prontos para fazer a diferença

“Esta é a primeira vez que esse tipo de convite acontece desde o início da Revolução, em 1959”, testemunhou o pastor Noel Nieto, da Liga Evangélica de Cuba. Segundo Nieto, alguns voluntários cristãos registraram suas mensagens de esperança, falando sobre a ressurreição de Cristo, com a supervisão de um funcionário da ICRT. 

A voluntária, Sandy Cancino, disse que usou sua experiência de produtora para servir em meio à pandemia da Covid-19. A notícia sobre as mensagens cristãs foi recebida com entusiasmo nas redes sociais de diversos pastores independentes do governo. Já que era a concretização de um pedido feito há anos às autoridades cubanas. 

Embora muitas mensagens tenham sido censuradas pelo governo e muitos pastores tenham se sentido desrespeitados por isso, eles dizem ter esperança de que sejam propagadas algum dia. 

"É nossa oração, desejo e pedido, que os programas sejam vistos por todos, e também que outros espaços se abram para a mensagem de esperança, paz e salvação de Jesus", concluiu o pastor David Moreno.

Fonte: Guiame

Pastor renuncia após confessar “pecado do orgulho”

Pastor renuncia após confessar “pecado do orgulho”

Os membros da Watermark Community Church, uma megaigreja em Dallas, no Texas (EUA), foram surpreendidos no domingo, 25, com a renúncia do pastor sênior, Todd Wagner. Ele anunciou que estava deixando o cargo após ter confessado seu 'pecado de orgulho' em setembro do ano passado.

“Estamos totalmente convencidos de que hoje, no interesse de Cristo, para mim e para minha família, e para a Watermark nesta próxima fase, seria melhor se eu terminasse minha temporada servindo como ancião pastoral da Watermark Community Church”, disse Wagner em um comunicado.

O orgulho nada mais é que vaidade. “O sentido é o de a pessoa achar-se superior a todos, inquestionável, absoluta e cheia de si e muitas vezes não reconhece seus erros”, afirma pastor Lécio Dornas, da Igreja da Família, em Orlando, Flórida, nos EUA.

O orgulhoso se torna cego e não vê que vai cair na desgraça, porque se acha invencível (Provérbios 16:18). A Bíblia diz que Deus humilha os orgulhosos.

E foi justamente isso que aconteceu com o pastor Todd Wagner. Ele disse que chegou em um ponto do seu ministério que não ouvia mais ninguém, nem mesmo sua equipe de liderança, e por isso ele falhou, estando muitas vezes irritado e impaciente para ouvir as pessoas.

“Quando pensamos em liderança, o orgulho se manifesta em atitudes de prepotência, intransigência, intolerância, autosuficiência e vaidade. O líder passa a não ouvir sua equipe, menospresar seu pares e criticar exageradamente outros referenciais de liderança como autores, empreendedores, coaches etc”, explicou pastor Lécio.

O problema do ‘pecado de orgulho’, segundo o pastor Lécio é que a pessoa se isola de pessoas boas e atrai bajuladores e interesseiros.

“Aqueles que de fato podem ajudar e contribuir acabam desistindo, após diversas experiências ruins, sendo desrespeitados, humilhados e ignorados. Perto ficam aqueles que desejam tirar alguma vantagem e aprendem o caminho de alimentar o ego do líder enfermo”, disse.

Ano passado foi a primeira vez que Todd fez uma pausa do púlpito em 20 anos, para poder trabalhar seu orgulho, que segundo ele, se tornou um problema para sua equipe.

“Esta não é uma licença remunerada para que eu possa ler, escrever e relaxar como recompensa por 20 anos de serviço. Isso é um descanso temporário da função de ensinar e liderar e qualquer outra coisa que esteja no caminho de permitir que o Senhor me fortaleça, me restaure, e me leve a um arrependimento cada vez maior”, disse na época.

Para pastor Lécio Dornas, a atitude do pastor foi correta. Primeiro da humildade em reconhecer o erro, segundo que Deus foi honrado.

“Quando o pecado do orgulho se instala, o quanto antes se faz necessário um afastamento para tratamento e cura, evitando-se prejuízos e quedas irreversíveis na vida da igreja e na missão. Assim, quando um líder pastoral reconhece o pecado, se afasta da liderança e procura ajuda e tratamento, o reino ganha e Deus é honrado”, explicou.

Fonte: Comunhão

Pastor ensina caminho para ser amigo de Deus: “Se aprofunde em conhecê-lo”

Pastor ensina caminho para ser amigo de Deus: “Se aprofunde em conhecê-lo”

Na semana passada, o pastor Joel Engel fez um ensino sobre a oração do "Pai Nosso", na qual Jesus apresenta um modelo para reconectar os filhos ao Pai. Na terça-feira (27), ele apresentou um tipo de oração que se dirige a Deus como amigo.

O pastor mostra que no texto bíblico de Lucas 11, onde Jesus ensina seus discípulos a orar, são apresentadas três formas de se aproximar de Deus: filho que pede ao pai; amigo que pede a outro amigo e injustiçado que pede ao juiz.

Aprofundando-se na amizade com Deus, Engel explica que há diferenças na relação entre pai e amigo.

“Muitas vezes o pai não dá o que o filho pede. O pai dá coisas boas ao filho, mas também dá limites e repreensões. Já o amigo é um cúmplice, é alguém que está na mesma posição, é alguém que te entende”, esclarece.

Jesus estabeleceu o primeiro modelo de oração, se dirigindo a Deus como Pai. Na mesma ocasião, ele também ensina a se dirigir a Deus como amigo.

Em Lucas 11:5-10, Jesus conta a história de um homem que procura seu amigo à meia-noite e pede pães emprestados, para oferecer à sua visita. O amigo pede que ele não o incomode, mas acaba atendendo ao pedido por causa da importunação. 

Com isso, Jesus deixa a lição: “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta.”

“Jesus está ensinando: se você não tiver resposta à sua oração como filho, comece a importunar a Deus como um amigo”, afirma o pastor.

Deus procura por amigos

Joel Engel observa que, por toda a Bíblia, é possível ver Deus à procura de amigos. Ele encontrou amizade em homens como Abraão e Moisés.

“Abraão foi tão amigo de Deus a ponto do Senhor contar a ele seus planos sobre Sodoma e Gomorra. Por causa do pedido de Abraão, Deus poupou a família de seu sobrinho, Ló, naquela cidade”, comenta.

“Quando Deus tem um amigo, Ele revela Seus segredos”, destaca Engel. “Muitas vezes um pai tem que dizer não para um filho, mas diz sim a um amigo.”

Mas para se tornar amigo de Deus, é preciso, antes de tudo, investir tempo para conhecê-Lo. “Nosso Deus Pai é tão grande e majestoso que, para nos aproximarmos como amigos, precisamos primeiro de conhecimento. Ninguém se torna amigo de uma hora para a outra. É preciso conhecer e investir tempo na construção da intimidade”.

Ele acrescenta: “Para ser amigo de Deus é preciso conhecer a Palavra, conhecer Sua história, a Sua natureza e Seu caráter. Abraão se aperfeiçoou em conhecer a Deus e você precisa se aprofundar nisso”.

Foi Deus quem teve a iniciativa de se aproximar de Abraão e Moisés, desejando ser seus amigos, observa Engel. O mesmo aconteceu com Jesus, que chamou cada um de seus apóstolos. “É interessante ver que Deus desce dos céus e vem procurar amigos no lugar menos provável, que é a Terra”, comenta.

Por isso, não importa o seu passado ou sua condição; “quando você recebe Jesus, Ele age como seu amigo, não como seu juiz”, diz Engel. “Ele vai te chamar para comer junto com Ele. Foi isso o que Ele fez com perdidos e pecadores”.

Segundo Apocalipse 3:20, amigo é alguém que ceia com Jesus e responde a seu convite: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo.”

“Por que Jesus nos ensina a bater na porta de Deus e chamá-lo de amigo? Porque amigo é assim, está sempre do meu lado, mesmo que eu seja imperfeito. O amigo vai estar com você na hora que você mais precisar”, finaliza o pastor.

Fonte: Guiame

Pastor deficiente e esposa que servem os “intocáveis” são espancados por hindus na Índia

Pastor deficiente e esposa que servem os “intocáveis” são espancados por hindus na Índia

Um pastor com deficiência e sua esposa, que trabalham com os dalits – a casta mais baixa do sistema de classes indiano – foram espancados por hindus nacionalistas enquanto oravam em sua casa, na semana passada, na Índia. Ram Niwas e Pink tiveram sua casa invadida pelo grupo de homens e foram atacados com varas, segundo relatório do Christian Solidarity Worldwide (CSW).

Um membro da igreja do pastor Ram, identificado apenas por Narender, que estava junto na casa orando, relatou que os hindus arrombaram a residência com um martelo. Ele também ficou ferido ao tentar proteger a família.

Segundo a CSW, o pastor Ram, que possui uma deficiência desde a infância, sofreu uma fratura no ombro e a esposa Pink e Narender sofreram graves ferimentos na cabeça. Os três cristãos foram levados para o Hospital Muzaffarpur.

Os agressores fazem parte do grupo nacionalista hindu Vishwa Hindu Parishad (VHP), também conhecido como Conselho Mundial Hindu. Entre os homens que atacaram os cristãos, estavam os quatro irmãos do pastor Ram e um vizinho.

O pastor Ram Niwas tem sido perseguido pelo grupo hindu VHP há tempos e frequentemente é acusado de converter hindus ao cristianismo e obrigá-los a comer carne. No ano passado, um grupo de cerca de 20 pessoas do VHP tentou atacar Ram.

Niwas e sua esposa ministram aos dalits, que são os indivíduos da casta mais baixa do sistema de classes hindu na Índia. Chamado por muitos de “intocáveis”, os dalits sofrem e aqueles que se identificam como cristãos recebem tratamento desigual do governo indiano.

Sobre as leis anticonversão na Índia

As leis anticonversão na Índia existem desde 1967 nos estados na Índia. Hoje, alguns estados continuam aprovando esse tipo de lei que vai contra a liberdade religiosa, assegurada pelo artigo 25 da própria constituição do país.

Esse tipo de legislação tem o objetivo de coibir tentativas conversões e casamentos interreligiosos por meios forçados ou fraudulentos, ou por aliciamento ou indução.

Segundo a International Christian Concern (ICC), caso uma pessoa queira se converter a uma nova religião, a lei obriga que o convertido e o seu líder religioso precisam apresentar um requerimento à administração central distrital, com 60 dias de antecedência. O não cumprimento desta lei pode acarretar em prisão ou multas.

Com a aprovação de leis anticonversão em diversos estados da Índia, nacionalistas radicais são encorajados a espalhar falsas acusações de conversão forçada por parte de cristãos, com o propósito de justificar sua violência contra os crentes, sem intervenção da polícia local.

Fonte: Guiame

A perseguição religiosa já está começando de uma forma moderada, diz Mike Bickle

A perseguição religiosa já está começando de uma forma moderada, diz Mike Bickle

O pastor Mike Bickle, diretor da Casa Internacional de Oração (IHOP, na sigla em inglês), acredita que os cristãos estão experimentando níveis crescentes de preconceito — e até mesmo perseguição — contra suas crenças, em uma tendência predita nas Escrituras.

“Estou convencido de que já está começando de uma forma moderada”, diz Bickle, segundo o site Charisma News. “Para as pessoas que estão sendo atingidas, não parece moderada, mas é um número pequeno agora. Só que eu vejo esse número aumentando drasticamente.”

Bickle diz que seu livro, A Resposta de Deus à Crescente Crise, detalha a profecia do Salmo 2 feita 3.000 anos atrás:

“Por que as nações se enfurecem tanto? Por que perdem seu tempo com planos inúteis? Os reis da terra se preparam para a batalha; os governantes conspiram juntos, contra o Senhor e contra seu ungido. ‘Vamos quebrar estas correntes!’, eles dizem. ‘Vamos nos libertar da escravidão!’” (Salmos 2:1-3 NVT)

O pastor explica que “os reis da terra” e “os governantes” mencionados no Salmo 2 não são apenas políticos, mas sim “os líderes da cultura, da educação, da mídia, do mercado, da economia, militares, esportes” — todos estes trabalharão juntos.

Qual o objetivo deste trabalho em conjunto? A resposta, segundo Bickle, está no versículo 3, que “em essência diz que vai tirar a influência da Palavra de Deus da cultura”.

“Ele não usa as palavras ‘a influência da Palavra de Deus’. Eles vão quebrar as correntes de Deus do povo e lançar fora as algemas de Deus”, explica. “Para a mentalidade secular, a Palavra de Deus é uma escravidão e sufoca nosso potencial humano — velhas leis arcaicas da Bíblia que estão nos impedindo de atingir nosso pleno potencial, sexualidade, espiritualidade e tudo mais.

De volta à Babel

Bickle acredita que esse aumento se deve em parte à internet, que, segundo ele, “deu linguagem e acessibilidade para todos os tipos de pessoas expressarem suas opiniões e, em essência, validar e encorajar as pessoas que são como elas”.

“Pessoas que nunca teriam pensado em certas coisas, agora não estão apenas pensando nelas, mas estão furiosas com elas e se consideram especialistas nelas”, observa.

O pastor também observa que a internet, de certa forma, representa a restauração da linguagem unificada da Torre de Babel, descrita em Gênesis 11. Ele diz que o problema não era a altura da torre, mas o fato de já existir pecado suficiente nos humanos, a ponto de “se reunirem e compartilharem seus conhecimentos e experiência, se encorajando mutuamente no pecado”. 

Fonte: Guiame

10 anos da morte de David Wilkerson: relembre suas profecias que já estão se cumprindo

10 anos da morte de David Wilkerson: relembre suas profecias que já estão se cumprindo

Na terça-feira (27), completou-se 10 anos da morte de David Wilkerson, um dos maiores evangelistas do Movimento Pentecostal, que impactou a Igreja com suas pregações confrontadoras e profecias sobre os últimos dias.

Falecido em 2011 em um acidente de carro, a vida e o ministério de David Wilkerson ainda ecoam. O pastor deixou um legado com seu trabalho evangelístico, recuperando jovens envolvidos na criminalidade e nas drogas, através do Teen Challenge (Desafio Jovem), que perdura até hoje.

O fundador da Times Square Church em Nova York, passou os últimos anos de sua vida pregando contra a apostasia dos dias atuais e a corrupção da Igreja de Cristo. Wilkerson também profetizou sobre a chegada de tempos difíceis para os cristãos e sobre sinais que devastariam a terra.

Uma visão do pastor, compartilhada por ele em 1986 com seu amigo Dr. Mike Evans, tem impressionado pela semelhança com os tempos de pandemia da Covid-19 que vivemos hoje.

"Eu vejo uma praga chegando no mundo e os bares, igreja e governos sendo desligados. A praga atingirá Nova York e a agitará como nunca foi abalada antes. A praga vai forçar crentes que não oram a orar de forma radical, a pegarem em suas Bíblias e o arrependimento será o clamor dos verdadeiros homens de Deus no púlpito. E daí sairá um terceiro Grande Despertar que varrerá a América e o mundo", disse Wilkerson segundo relato de Evans.

Outra visão de David, publicada no livro “A Visão” em 1974, revelou a decadência moral e espiritual que a humanidade viveria. "Os programas de TV serão da pior espécie. As bancas de revistas estarão saturadas de revistas imundas. A educação sexual nas escolas será reanimada com filmes demonstrando detalhes do ato matrimonial. Satanás  vomitará toda a  imundícia do inferno em tão grande  grau que será como nos dias de Ló", disse Wilkerson.

No seu livro “A Visão”, o pastor também afirma que uma grande onda de perseguição alcançaria a Igreja nos últimos tempos.

“O que o Espírito Santo  me revelou em visão quanto à perseguição: vejo uma onda de perseguição a um grau  que a humanidade jamais experimentou.  Vejo-a subir como se fora um monstro do mar. Revela-se em um tempo quando a liberdade de religião aparenta ter chegado ao seu auge.  Se estenderá pelos Estados Unidos, Canadá, o mundo inteiro e por fim será como uma espécie de loucura. Esta loucura já está presente. O espírito do Anticristo está entrando nos corações de alguns homens no governo e no sistema judicial, provocando malefícios espirituais, e que logo chegará além dessas posições oficiais, até nas igrejas, entre missionários e ministros”, disse.

A visão de David Wilkerson também revelou que haveria censura de conteúdos cristãos na mídia e a ridicularização dos princípios cristãos.

“Vejo que se avizinha o tempo quando a maioria dos projetos missionários, programas de rádio e televisão, as sociedades missionárias, serão admoestadas e vigiadas  tão severamente por agências do governo que terão temor de prosseguir em suas atividades. Logo vem a perseguição através da ridicularização nas comédias pela televisão. Os programadores transformarão tudo em blasfêmia e milhares de incrédulos sentar-se-ão diante de seus televisores escarnecendo  dos temas  que  antes  consideravam  sagrados”, afirmou.

O pastor também relatou a perseguição contra a igreja, pastores e cristãos genuínos, por pregarem contra a falsificação da fé. Wilkerson também afirmou que a educação cristã sofreria ataque e as instituições de ensino evangélicas seriam perseguidas.

No final de seu relato da visão, David Wilkerson lembrou que o futuro está sob o controle de Deus e alertou os cristãos a permanecer vigilantes para a volta de Jesus.

“Muitos querem continuar sentados diante de uma televisão, ir a alguns cultos e aplaudir, e cantar acerca das boas coisas de Deus. Porém amados, é tempo de reconhecer que o fim do mundo está às portas. Esta é a hora sobre a qual  tens ouvido  pregar. Muitos estão acomodados  não sabendo nem o que está se passando. Amados, Jesus já vem. Jesus Cristo já vem, e está pondo sua casa em ordem”.

Fonte: Guiame