Recent post

Pastor agradece a Deus após sair ileso de acidente de carro e roubo: “Livramento”

Pastor agradece a Deus após sair ileso de acidente de carro e roubo: “Livramento”

Um pastor testemunhou o livramento dado por Deus após sofrer um acidente de carro e roubo enquanto voltava do culto, na madrugada de sábado (27), em São Vicente (SP). Robson Ferreira, de 45 anos, dormiu ao volante, bateu num poste e foi roubado enquanto estava desacordado.

O pastor relatou que voltava de um culto pela Avenida Angelina Pretti da Silva, por volta da 1h, e acabou adormecendo ao volante. "Estava muito cansado. Acordo às 5h todos os dias para entregar pão de queijo e salgado", explicou ao G1.

Desgovernado, o carro colidiu contra um poste. Com a colisão, Robson ficou desacordado até a chegada do resgate. Nesse período de tempo, o pastor foi roubado no local do acidente. 

Mesmo inconsciente, o cristão diz ter ouvido vozes: "Diziam 'pega, pega'. Levaram meus cartões do banco e todo o dinheiro que recebi durante as vendas do dia". O valor total roubado pelos criminosos foi de 1500 reais. 

Segundos antes do veículo pegar fogo, policiais militares retiraram Robson do carro, que teve danos no motor. "Me tiraram do carro a tempo e apagaram as chamas", testemunhou o pastor. "Só agradeço a Deus por esse livramento. Ele é maravilhoso e cuida dos seus filhos como um Pai fiel. O material que se perde aqui não se compara com o valor de uma vida".

O pastor, que sofreu escoriações leves no nariz e no braço esquerdo, foi atendido pelo SAMU e liberado em seguida.

Fonte: Guiame

China prende mais dois cristãos por participarem de conferência com Tim Keller

China prende mais dois cristãos por participarem de conferência com Tim Keller

A polícia chinesa prendeu dois ministros cristãos de uma igreja doméstica, na província de Shanxi, por participarem de uma conferência evangélica na Malásia no ano passado, onde os pastores Timothy Keller e D. A. Carson foram palestrantes.

De acordo com a China Aid, organização cristã que monitora a perseguição no mundo, An Yankui e Zhang Chenghao, ministros da Igreja Reformada de Zion na cidade de Taiyuan, foram presos no domingo passado (21).

As autoridades deteram os dois cristãos após o culto de domingo e não informaram a prisão às famílias dos ministros durante 24 horas. O aviso de detenção foi enviado no dia 22 de novembro.

O aviso enviado à esposa de Yao Congya, pelo Departamento Municipal de Segurança Pública de Fenyang dizia: “De acordo com a Lei de Processo Penal da República Popular da China, Artigo 82, em 22 de novembro de 2021, nosso escritório deteve An Yankui. que era suspeito de cruzar ilegalmente a fronteira nacional, e ele está detido no Centro de Detenção do Condado de Fangshan no momento”.

Em julho deste ano, outros cinco cristãos, membros da mesma igreja dos ministros, também foram presos por participarem da conferência “Evangelho e Cultura KL 2020”, organizada pelo pastor chinês indonésio Stephen Tong.

Os cinco crentes viajaram juntos, legalmente com seus passaportes válidos, para a Malásia em 2020, para
participar da conferência internacional, entre os dias 28 a 31 de janeiro. Entre os palestrantes do evento, estavam o famoso teólogo e autor best-seller, Tim Keller e Carson, professor emérito de Novo Testamento na Trinity Evangelical Divinity School e co-fundador da The Gospel Coalition.

O grupo foi detido pelas autoridades chinesas sob a suspeita de terem cruzado ilegalmente a fronteira nacional. Entretanto, o caso não foi investigado porque eles possuíam passaportes oficiais da República Popular da China e entraram na alfândega legalmente.

Paranóia comunista

Segundo a China Aid, a prisão dos dois ministros foi realizada sob "a mesma acusação absurda". Para a organização, o motivo de An Yankui estar sendo perseguido pode ser devido a seus laços com a perseguida Igreja Early Rain Covenant e com o pastor Wang Yi.

O Gerente Regional da ICC para o Sudeste Asiático, Gina Goh, explicou que o governo chinês teme o relacionamento dos cristãos chineses com crentes do exterior. 

“Pequim é paranóica sobre a interação dos cristãos chineses com os cristãos no exterior. Como resultado, eles estão penalizando os cristãos para impedi-los de 'receber influência estrangeira'. É uma pena que o governo chinês manipule constantemente as leis para violar a liberdade religiosa de seus cidadãos”, afirmou Goh.

De acordo com relatórios divulgados recentemente, a perseguição religiosa na China se intensificou em 2020, com milhares de cristãos afetados pelo fechamento de igrejas e outros abusos dos direitos humanos.

Fonte: Guiame

Família de pastor morto em acidente perdoa motorista bêbado no tribunal

Família de pastor morto em acidente perdoa motorista bêbado no tribunal

A família de um pastor de Minnesota (EUA) que morreu depois que um motorista bêbado bateu em seu carro perdoou o homem responsável por sua morte durante julgamento no tribunal.

Em novembro de 2020, David Nelson, de 58 anos, estava dirigindo a quase 120 km/h em uma zona de 50 km/h com um teor alcoólico no sangue de 0,267. Sua picape bateu na traseira do veículo ​​do pastor Verlyn Strenge, de 69 anos, que morreu no acidente, enquanto sua esposa ficou gravemente ferida.

Um ano depois, em 14 de novembro, Nelson foi condenado a quase três anos de prisão por homicídio. Na audiência de Nelson no tribunal, a família e a congregação de Verlyn, que era pastor da Primeira Igreja Batista em Clearbrook, compartilharam palavras de perdão — o tema do último sermão do pastor antes de morrer.

A viúva, filha e filho do pastor Verlyn se aproximaram de Nelson para abraçá-lo após ouvir os depoimentos. Eles disseram que o perdoavam e que oravam por ele e sua família. Eles enfatizaram que ele precisa perdoar a si mesmo.

“Fomos muito perdoados; como poderíamos não te perdoar?”, disse Rick Moore, um membro da igreja.

“Nós te perdoamos, Sr. Nelson”, disse a filha de Verlyn, Jayme Nelson. “Por mais difícil que tenha sido no início, queremos que você saiba que temos orado por você no ano passado porque sabemos que sua vida foi afetada pelo maior erro de sua vida.”

O juiz Eric Schieferdecker disse que o ato de perdão foi algo que ele nunca tinha visto antes. A promotora do condado, Katy Lorsbach, foi levada às lágrimas com a reação.

Na audiência, Nelson se desculpou por suas ações: “Aprecio muito o aspecto do perdão que eles trouxeram. Decidi hoje que não iria pedir isso”, disse ele. 

Verlyn, que pastoreou a Primeira Igreja Batista por 25 anos, foi descrito como um “estudante devoto dos ensinamentos da Bíblia”.

“Ele lia a Bíblia pelo menos 6 vezes por ano e guardava muitos versículos na memória”, diz seu obituário. “Seu amor por Cristo ajudou a erguer inúmeras comunidades e pessoas necessitadas. Verlyn fez várias viagens à Ucrânia para ajudar nos acampamentos de jovens em uma igreja irmã. Sua forte fé e amor por viagens levaram ele e sua esposa à Jordânia e Israel em 2020. Esta viagem foi um ponto alto precioso na vida de Verlyn.”

"Verlyn deu amor e energia infinitos às comunidades e pessoas a quem serviu. Ele presidiu inúmeros casamentos, batismos, eventos da vida e funerais. Ele estava lá para famílias em crise e tempos de luta, e em tempos de celebração e triunfo.”

Fonte: Guiame

“Deus está julgando o cristianismo de celebridades”, alerta pastor

“Deus está julgando o cristianismo de celebridades”, alerta pastor

“Deus está julgando o cristianismo de celebridades". Esse foi o alerta do pastor americano Allen Hood, que atuou na liderança da Casa Internacional de Oração em Kansas City (IHOPKC).

Em um sermão publicado pelo ministério The Altar Global, Hood lembra que aos pastores e líderes que “se sua ambição é ser conhecido, você é a pessoa errada para o trabalho”.

“Temos que nos perguntar: somos amigos do Noivo? Ou somos amigos da elite? Dos ricos? Dos poderosos?”, o pastor questiona. “Gostamos das roupas, gostamos do reconhecimento, gostamos da lista de contatos, gostamos do conjunto todo.” 

Por isso, Hood lembra que Deus está em busca de profetas como João Batista para esse tempo: 

“Deus está procurando o cara que come gafanhotos e mel e usa roupas de pêlo de camelo. O último lugar que ele quer estar é na casa do rei, porque se ele for lá, ele terá que confrontá-lo sobre seu pecado: ‘Não, eu não preciso de uma foto. Você está dormindo com a esposa do seu irmão. Eu sei que vou perder a cabeça. Eu sei que você não vai me convidar de volta. Mas você me convidou e é isso o que você está recebendo’”.

O pastor ainda lamenta o fato de que “reis não tremem mais diante dos crentes”.

“Jesus disse: ‘O que você saiu para ver? Um caniço agitado pelo vento? Um homem que corteja reis e nobres e gosta do que eles podem dar a ele?”, continua o pastor.

“Agora mesmo, o Espírito Santo está tirando essa coisa grotesca de celebridade fora do Corpo. E amado, eu digo que quanto mais rápido melhor!”

Por fim, o pastor Allen deixa um alerta aos mais jovens: “Não façam o que fizemos! Não vá por esse caminho. Nos conduzam a uma era de avivamento”.

Fonte: Guiame

Rodrigo Silva fala sobre unificação mundial após pandemia: ‘É um caminho sem volta’

Rodrigo Silva fala sobre unificação mundial após pandemia: ‘É um caminho sem volta’

Durante uma entrevista ao podcast “Inteligência Ltda”, o arqueólogo e teólogo Rodrigo Silva foi questionado sobre o fim dos tempos. Há sinais? Estamos no tempo do fim? A pandemia faz parte disso? O Anticristo já está entre nós? Como podemos saber em que tempo bíblico vivemos agora?

Rodrigo lembrou das palavras de Jesus, em Mateus 24, quando respondeu aos discípulos sobre os sinais de sua segunda vinda e sobre os alertas dados por ele para que ninguém fosse enganado. 

“Jesus disse que ouviríamos falar de guerras e rumores de guerras, fomes e terremotos em vários lugares, mas que tudo isto indicaria o princípio das dores”, disse ao enfatizar que guerras, fomes e terremotos sempre existiram no mundo atual. 

Ele aponta, então, para o último livro da Bíblia para ter mais pistas sobre o tempo do fim. “No livro de Apocalipse há elementos que indicam quando o fim for próximo. Embora, ninguém saiba o dia ou a hora da volta de Jesus, seria estupidez tentar adivinhar”, ressaltou.

“Podemos saber a proximidade dos tempos em que vivemos”

Para o arqueólogo existem algumas características bem peculiares que apontam que estamos bem próximos do tempo do fim. Para começar, ele indica a leitura de Apocalipse 11.18.

“As nações se iraram; e chegou a tua ira. Chegou o tempo de julgares os mortos e de recompensares os teus servos, os profetas, os teus santos e os que temem o teu nome, tanto pequenos como grandes, e de destruir os que destroem a terra”. (Apocalipse 11.18)

“Na época de Cristo não tinha como destruir a Terra. A profecia do Apocalipse fala de uma época em que a Terra pode ser destruída por seres humanos, algo que era impossível no século I”, esclareceu. 

Depois fala das pragas de Deus que vão cair. “Elas não caíram ainda, mas os vislumbres delas podem estar batendo às portas”, disse ao lembrar do efeito estufa, problemas com a camada de ozônio, poluição e escassez de água. "Há previsões de que até 2025, o motivo das guerras no mundo será pela água”, alertou.

Sobre o Anticristo

“A Bíblia diz que ele vai dominar o mundo inteiro de maneira algorítmica e pacífica”, disse ao explicar que o 666 mostra que o Anticristo é uma espécie de versão de Cristo para as trevas. 

“Ele [Anticristo] faz uma paródia de Cristo”, comparou ao citar que Deus instruiu aos judeus para carregar a lei na testa e na mão. “O Anticristo também vai colocar um sinal ou uma marca na testa e na mão. Isso aponta para uma época em que a lei de Deus vai ser questionada”, continuou.

Ele também lembrou que quando chegarmos a essa época determinada ninguém poderá comprar ou vender, a não ser que tenha a marca da besta e o número do seu nome. 

“E muitos calculam que o nome Hitler dá 666, o Papa, Saddam Hussein, Bill Gates e tudo dá 666”, riu ao comentar sobre a forma como as pessoas tentam adivinhar o enigma.

“No grego diz que, aquele que tem entendimento ‘calcule’ e essa palavra quer dizer ‘faça contabilidade’ daquilo que o Anticristo vai fazer. Ele será a reconfiguração do Império Romano, que era o inimigo do povo de Deus”, advertiu.

Por que 666?

“Na cultura da Babilônia, o número 6 era base para qualquer cálculo, era um número divino. Quando Nabucodonosor ergueu uma imagem, ela tinha 60 côvados por 6. O 6 era um múltiplo divino”, detalhou. 

E depois explicou: “Apocalipse diz que ele vai controlar a economia e que os povos da terra vão segui-lo. Ninguém poderá ir contra ele. E o que estamos vendo, pela primeira vez na história, é um cenário de unificação mundial. Parece até teoria da conspiração, mas não é”, sustentou.

Rodrigo observa que as pessoas argumentam no sentido de desmerecer essa realidade. “Mas as pessoas não estão entendendo. O que está acontecendo não significa uma unificação de mentes, mas de propósitos”, pontuou.

A pandemia e a unificação global

“Quer um exemplo de que o mundo pode se unir por um propósito, apesar de se odiar mutuamente? A pandemia. O Irã está usando máscara e Israel também está usando máscara”, e continuou dando exemplos, como israelenses e palestinos, egípcios, americanos e russos. “Todos estão usando álcool em gel”, igualou. 

O teólogo disse que a unificação é possível e que depois que “o mundo parou” por causa da pandemia, a humanidade se deparou com um caminho sem volta. “Por que fala-se tanto em criptomoeda? Já estamos passando por uma transição do dinheiro”, citou um dos impulsionadores da unificação.

Deixando claro que se trata de uma “tendência”, Rodrigo também apontou que o mundo vai se unificar em nome de alguns “elementos que estão à solta como crianças bagunceiras numa casa cheia de objetos cortantes e letais e sem um adulto para controlá-las”.

Ao exemplo acima, o teólogo associou a internet. “Quem tem domínio sobre a internet? Você pode encontrar um bom podcast ou uma fórmula para o coquetel molotov [arma química incendiária usada em protestos e guerrilhas urbanas]. O camarada pode assediar você a fazer parte do Estado Islâmico”, disse ao reforçar que nem mesmo os EUA controlam a internet. 

Além disso, citou o tráfico de drogas e de armas em nível mundial, lavagem de dinheiro, terrorismo, ecologia e até a bolsa de valores. “A economia do mundo não aguenta por mais 20 anos na mão da bolsa de valores que é especulativa. Estamos economicamente vulneráveis”, emendou.

Ao mencionar que leis mundiais deverão controlar a internet e todos os outros elementos citados, explicou que todos os países vão acabar se unindo. “Não porque eles se amam, mas porque não tem outro jeito”, observou.

O caminho para o Anticristo

Para o arqueólogo, todo esse cenário forma o caminho para o Anticristo. “E quando esse governo único se interpuser entre a minha fidelidade a Deus e a minha fidelidade ao Estado, será o único momento em que estarei diante da possibilidade de uma desobediência civil”, apontou.

Segundo Rodrigo, a Bíblia sempre deixou claro que devemos respeitar as autoridades constituídas e sermos bons cidadãos. “Mas, a Bíblia também diz, em termos filosóficos, que se a lei do governo for contra a lei de Deus, não podemos ceder, ao ponto de enfrentar a morte se preciso for", disse.

E finalizou lembrando que as Escrituras mostram que muitos anticristos já passaram pelo mundo. “Naquele tempo o anticristo era Roma, conforme os exegetas. Eles explicam que Roma retornará travestida de cristã, tentando tomar o lugar de Deus para dominar o mundo”, compartilhou. 

“A minha sugestão para todos é a seguinte: fiquem atentos às propostas governamentais. Eu vou seguir o que não infringir a minha fé, naquilo que eu entendo, pela Bíblia, ser o correto. Mas, se houver uma lei que se interpuser entre a minha fidelidade e aquilo que Deus pede de mim, aí eu estou disposto a enfrentar até a morte”, concluiu.

Fonte: Guiame

Por que o justo sofre? Pastor explica como o sofrimento nos aproxima de Deus

Por que o justo sofre? Pastor explica como o sofrimento nos aproxima de Deus

Por que coisas ruins acontecem com pessoas boas? O pastor Joel Engel relembrou a história de Jó e trouxe uma mensagem de incentivo: você pode passar por dias difíceis, mas Deus continua no trono de sua vida.

Jó foi um homem muito rico que viveu na terra de Uz. Ele foi considerado pela Bíblia um homem íntegro e reto, que temia a Deus e se desviava do mal. Ele era um pai de família e zelava por seus sete filhos e três filhas, sempre os consagrando e oferecendo ofertas em nome deles.

Até que, certo dia, Satanás se apresentou diante de Deus com acusações contra Jó — algo que, segundo Engel, é a principal função do inimigo.

“A função de satanás é acusar. Ele caminha por toda a terra tentando procurar alguém para colocar no banco dos réus. Muitas pessoas também têm esse problema satânico, de analisar o defeito dos outros”, observa.

“Não deixe o diabo desempregado. Falar mal e acusar é trabalho do inimigo. Não faça o trabalho dele”, alerta o pastor.

As acusações de Satanás

O pastor Joel Engel identificou três áreas em que Satanás acusa Jó: sua proteção, sua capacidade e suas riquezas.

Então Satanás respondeu ao Senhor: “Será que é sem motivo que Jó teme a Deus? Não é verdade que tu mesmo puseste uma cerca ao redor dele, da sua casa e de tudo o que ele tem? Abençoaste a obra de suas mãos, e os seus bens se multiplicaram na terra.” (Jó 1:9-10)

Engel explica que Satanás questionou se Jó servia a Deus pelas bênçãos e a primeira coisa que buscou atacar foi sua proteção.

“Satanás queria tirar a proteção de Deus, mas há algo muito importante: a soberania. Satanás não pode mover uma palha sem a permissão de Deus. Não vemos aqui uma briga entre Deus e o diabo, nem uma disputa do bem contra o mal. Deus é soberano”, afirma.

Em seguida, Satanás atacou a capacidade de multiplicação dada a Jó. Engel acredita que Satanás tinha “ciúmes” dos dons derramados sobre ele. “Ele acusa as pessoas de servir a Deus por causa do dinheiro”, observa.

Por fim, Satanás quis tocar nos bens de Jó, e teve a permissão de Deus para isso — apenas não era permitido tocar nele. “Nada pode vir contra você sem que Deus autorize. A sua vida e os seus problemas estão nas mãos de Deus”, afirma o pastor.

Lábios que louvam

Jó perdeu toda sua riqueza, seus servos e seus filhos. Como se não bastasse, depois de uma nova acusação de Satanás, ele perdeu também sua saúde. Mas em todas essas coisas, ele nunca blasfemou a Deus.

“Jó passou por todas as aflições e nenhuma vez blasfemou. Você passaria por tudo isso sem reclamar? Passaria por tudo isso e continuaria servindo a Deus?”, questiona Engel. “Como você se comporta ao perder seus bens? Continua adorando ou blasfema? Será que Deus lá de cima pode dizer: ‘Você reparou no meu servo?’”

No final, porém, Deus mudou a sorte de Jó e restaurou em dobro tudo o que ele tinha perdido: riquezas, família e saúde.

“O livro de Jó dá um motivo para nos alegrarmos com a prova: ‘Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te veem’”, diz o pastor, mencionando Jó 42:5.

“Ele permite que você passe por provas, e no final, Ele mesmo vai se vingar das injustiças. Para cada dia de vergonha, Ele vai dar dupla honra. Para cada dia de doença, Ele dará saúde. Para cada dia de prejuízo, ele trará multiplicação”, conclui.

Fonte: Guiame

Pastor é preso suspeito de abuso sexual contra criança de dez anos em Fernão Velho, Maceió

Pastor é preso suspeito de abuso sexual contra criança de dez anos em Fernão Velho, Maceió

Um pastor evangélico de 45 anos foi preso na quarta-feira (24), em Fernão Velho, Maceió, suspeito de abuso sexual contra uma criança de dez anos.

A tia da menina mostrou áudios do pastor dizendo que a criança tinha que perder a virgindade com ele para livrar o pai de maus espíritos.

A menina foi encontrada na casa do pastor, na Vila Goiabeira, na quarta. O homem foi preso e levado para a Central de Flagrantes.

Fonte: G1 Alagoas

Pastor aciona a polícia após ser ameaçado de morte durante culto

Pastor aciona a polícia após ser ameaçado de morte durante culto

O pastor de uma igreja evangélica acionou uma equipe da Polícia Militar durante o culto e registrou ocorrência de ameaça de morte contra um homem não identificado.

O caso aconteceu na noite de terça-feira (23) no bairro Cidade Nova, região Sul da capital de Rondônia.

Segundo o pastor evangélico, o acusado entrou na igreja causando perturbação do sossego aos frequentadores.

O pastor disse que devido a atitude do homem foi necessário ele expulsá-lo do ambiente. O acusado ficou revoltado e então teria ameaçado matar o pastor quando ele terminasse o culto.

Por esse motivo, a vítima acionou a Polícia Militar, mas o acusado não foi localizado. A ocorrência foi registrada no 4° DP.

Fonte: Rondoniaovivo

Dois missionários dos 17 sequestrados no Haiti são libertados

Dois missionários dos 17 sequestrados no Haiti são libertados

Dois dos 17 missionários sequestrados por uma gangue no Haiti foram libertados, segundo a Christian Aid Ministries. O anúncio foi feito no domingo (21) numa atualização da organização missionária.

A identidade dos dois missionários libertados não puderam ser divulgada. “Apenas informações limitadas podem ser fornecidas, mas podemos relatar que os dois reféns que foram libertados estão seguros, de bom humor e sendo cuidados”, afirmou a Aid Ministries.

“Não podemos fornecer ou confirmar os nomes dos libertados, os motivos da sua libertação, de onde são ou a sua localização atual. Pedimos que aqueles que têm informações mais específicas sobre a liberação e os indivíduos envolvidos protejam essas informações”.

O grupo missionário, com sede nos Estados Unidos, pediu orações pelos 15 missionários que ainda estão em cativeiro no Haiti. “Enquanto nos regozijamos com esta libertação, nossos corações estão com as quinze pessoas que ainda estão detidas. Continue a levantar os reféns restantes diante do Senhor”, disse.

Os 17 missionários e suas famílias foram sequestrados pela gangue 400 Mawozo em Porto Príncipe, no dia 16 de outubro. O sequestro aconteceu após o grupo deixar um orfanato situado a 30 km da capital haitiana.

Segundo a CNN Internacional, o grupo sequestrado é formado por cinco homens e sete mulheres, entre 18 e 48 anos, e cinco menores, entre 8 meses e 15 anos. Entre os cristãos, 16 são americanos e um é cadanense.

Wilson Joseph, o líder da gangue 400 Mawozo, ameaçou matar os reféns caso o resgate de 95 milhões de reais não fosse pago. No dia 9 de novembro, um alto funcionário do governo Biden disse que havia evidências de que alguns estariam vivos.

Os missionários do Christian Aid Ministries atuavam em todo o Haiti, ajudando crianças em idade escolar, distribuindo Bíblias e literatura cristã, fornecendo remédios, capacitando pastores haitianos e doando alimentos para idosos e vulneráveis.

Nos últimos meses, o grupo também trabalhava num projeto para reconstruir casas destruídas pelo terremoto, que atingiu o Haiti em agosto.

Fonte: Guiame com informações de Eternity News

Filha de Billy Graham diz que a humanidade já vive o fim dos tempos: ‘Observe os sinais’

Filha de Billy Graham diz que a humanidade já vive o fim dos tempos: ‘Observe os sinais’

A filha do saudoso Billy Graham, Anne Graham Lotz, tem apontado para os últimos acontecimentos do mundo e alertado sobre o fim dos tempos. Ela diz que acredita que o retorno de Cristo acontecerá muito em breve.

“Eu acredito que estamos vivendo no final dos tempos; eu acredito que estamos vivendo no final da história humana como a conhecemos”, disse ao Dr. Steve Greene, em um episódio do podcast Greenelines, através do Charisma News. 

“E eu acredito que tudo o que estamos vendo acontecer é uma espécie de preparação de Deus para a volta de Jesus Cristo", ela reforçou.

“Eu tenho observado os sinais”

Anne diz que desde jovem acreditava que Jesus voltaria em sua vida e compartilhou que sempre falou disso com seu pai. “Ele concordava, porque eu me baseio nas Escrituras; não é apenas um sentimento”, disse ao se referir ao que Jesus revelou em Mateus 24.

A evangelista aponta para todos os sinais. “Eu tenho observado os sinais e o mais impressionante é que todos eles estão acontecendo”, observou.

Depois Anne apontou para a progressão de cada um deles. “Jesus chamou os sinais de 'dores de parto' e dores de parto são assim. Quando eu entrei em trabalho de parto, eu sentia dores a cada cinco minutos. E não era tão ruim. Mas quando aumentou a dor e a frequência diminuiu para quatro, três, dois minutos, no final eu só queria gritar”, comparou.

“Estamos vendo a dor aumentar”

“Jesus disse que os sinais que Ele deu seriam como as dores de parto. E estamos vendo a dor aumentar. Antes era a cada 10 anos; agora é a cada ano; a cada semana. As ‘dores’ aumentam em intensidade à medida que quebram recordes. É impressionante”, destacou.

Anne aconselhou as pessoas a observarem tudo o que está acontecendo ao redor do mundo, como incêndios, inundações e furacões. 

“Você percebe que esses acontecimentos aumentam. tanto em número quanto em intensidade [como as dores de parto], por isso, acredito que o bebê vai nascer logo”, mencionou.

“Eu creio que Jesus voltará em breve. E o impacto disso em sua vida, faz com que você viva de modo que não se arrependa de nada. Quando a trombeta tocar e Jesus descer com alarido, nós nos encontraremos com ele nos ares. Que você não se arrependa pela maneira como tem vivido a vida", concluiu ao citar Tessalonicenses 4.16-17.

Fonte: Guiame

Pastor é condenado por acolher refugiado em sua igreja na Alemanha

Pastor é condenado por acolher refugiado em sua igreja na Alemanha

Um pastor da Igreja Metodista Unida na Alemanha foi condenado por abrigar um refugiado iraniano em uma das igrejas que supervisiona. O reverendo Stefan Schörk foi culpado por "ajudar e encorajar residência não autorizada".

O líder das igrejas metodistas no estado da Baviera foi sentenciado a dois anos de liberdade condicional e multado em 1.500 euros pelo Tribunal Distrital de Bayreuth, no dia 8 de novembro.

Schörk afirmou que vai apelar o veredito. Em uma entrevista para a televisão em janeiro, o pastor defendeu suas ações, explicando que o jovem iraniano “precisava urgentemente” de abrigo devido a “uma falha oficial”. 

“Quando eu olho nos olhos de alguém que me fala sobre seu sofrimento, eu tenho que agir. Essa é a minha fé que procuro viver. Eu prego sobre o amor por meus inimigos e meu vizinho todos os domingos. Portanto, minhas palavras também devem mostrar minhas ações”, declarou Schörk ao BR24. 

Em janeiro deste ano, o pastor deu abrigo ao refugiado em uma igreja que ele supervisionou em Pegnitz. O imigrante seria deportado para a Grécia, onde havia solicitado asilo pela primeira vez. Porém, se deposto o jovem se separaria de sua família que já vivia na Alemanha. 

Ajuda de igrejas a refugiados

O reverendo Stefan foi acusado de oferecer asilo ao refugiado iraniano. Segundo a justiça alemã, somente o estado pode conceder asilo no país. Já houve diversos casos judiciais de líderes religiosos que tentaram abrigar refugiados em suas igrejas na Alemanha. 

No início deste ano, uma freira do mosteiro de Oberzell no sul do país, Juliana Seelmann, foi multada em 500 euros, por dar “residência não autorizada” a duas mulheres nigerianas que escapavam da prostituição forçada na Itália.

De acordo com a agência de notícias estatal alemã Deutsche Welle, as igrejas evitaram quase 500 deportações no primeiro trimestre de 2018. Mesmo assim, em 2019, as autoridades rejeitaram quase todos os casos de asilo em igrejas.

Segundo o governo alemão, as igrejas não devem possuir um status especial que as isente das leis de asilo e não devem interferir em ordens de deportação. 

Fonte: Guiame

Silas Malafaia critica Ministério Público por denunciar pastor por homofobia na Bahia

Silas Malafaia critica Ministério Público por denunciar pastor por homofobia na Bahia

O pastor Carlos César Januário, da Primeira Igreja Batista de Ipiaú (PIB), no sul da Bahia, foi acusado de homofobia por usar o termo “homossexualismo” durante um culto. Ele foi obrigado pelo Ministério Público a se retratar sobre a fala.

Após o caso, evangélicos protestaram na internet. Um deles foi o pastor da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), Silas Malafaia, que usou as suas redes sociais para pedir respeito aos cristãos e à constituição, que segundo ele garante o culto. Além disso, classificou o caso como “absurdo”.

“Isso é o absurdo dos absurdos da cretinice. Vamos à constituição? O artigo 5º é cláusula pétrea. Ninguém pode mudar. Vamos ao inciso 6: inviolável, vou repetir, inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre o exercício dos cultos religiosos, e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias”, citou Silas Malafaia.

O pastor segue dizendo que foi “um absurdo” a decisão do Ministério Público da Bahia de “querer determinar o que se fala num culto”. Diante disso, em protesto a essa decisão, o religioso pediu que os pastores brasileiros pregassem sobre o assunto no próximo domingo.

“Eu quero conclamar todos os pastores do Brasil neste domingo a darem uma palavra na sua igreja de manhã ou de noite mostrando os pecados da área sexual, adultério, prostituição e homossexualismo. Eu vou falar de manhã. Convoco vocês meus colegas a falarem”, pediu ele.

Ele finalizou dizendo que o povo cristão não pode aceitar decisões como a que aconteceu com o pastor da PIB.

“Nós não podemos aceitar isso gente. Isso é uma afronta. Se nos calarmos agora, amanhã esses caras vão querer prender pastor pelo o que falam na igreja. Eles rasgam a constituição. Isso é uma afronta à Constituição e aos direitos individuais. Fica aqui a minha indignação. Domingo eu vou falar e o dia que eu botar o meu pé na Bahia para pregar eu vou falar. Eu desafio essa cretinice, essa bandidagem e essa safadeza. Fica aqui meu protesto”, finalizou ele.

O caso

O pastor Carlos César Januário, da Primeira Igreja Batista de Ipiaú (PIB), no sul da Bahia, foi acusado de homofobia por usar o termo “homossexualismo” durante um culto que foi transmitido pela internet. Ele foi denunciado ao Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA).

O pastor Carlos pregou em uma igreja no dia 30 de junho, culto que foi transmitido pela internet. No vídeo, o pastor Carlos fala que campanhas do Dia do Orgulho LGBTQIA+, celebrado em 28 de junho, promovem o “homossexualismo”.

O termo homossexualismo – com ISMO no final – é considerado pejorativo, já que o sufixo remete à classificação como doença. O termo correto é homossexualidade.

“Nós estamos vendo o que está acontecendo com as crianças no mundo. Olha o que essa empresa de sanduíches está fazendo e outras que já fizeram também. A [empresa de cosméticos], que também faz promoção do homossexualismo. É para a gente não comprar mais perfume da Natura”, disse o pastor no culto na época.

Por causa disso, o religioso foi denunciado pelo servidor público federal Mateus Cayres, de 29 anos, segundo o Portal G1. Ele disse que recebeu o vídeo do ocorrido através de um “fiel que assistia, viu absurdos e começou a gravar” a transmissão do culto.

“Uma autoridade religiosa que fala de amor, propagar o ódio, é contraditório. Acaba sendo um discurso hipócrita. O amor ao próximo é seletivo?”, questionou Mateus.

Retratação

A promotora de Justiça Alícia Violeta Botelho determinou através do Termo de Ajuste de Conduta (TAC) que o pastor deveria ler o conteúdo do acordo durante um culto, também transmitido através do YouTube, além de divulgar o conteúdo do termo nas redes sociais da igreja.

O pastor da PIB, então, retratou após assinar o TAC. Ele fez uma retratação pública em um culto no dia 10 de novembro, que também foi transmitido pelas redes sociais.

No Termo, a defesa do pastor esclareceu que “não houve qualquer intenção discriminatória nas palavras proferidas durante o culto”. Lembra ainda que “no exercício de sua liberdade religiosa, utilizou-se de exemplo em que tomava por inadequada a conduta de duas empresas que realizaram campanhas publicitárias promovendo o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, uma delas aparentemente direcionada para crianças, instando fiéis a não adquirirem seus produtos”.

Fonte: Portal do Trono e G1

Esgotamento pastoral: 38% dos pastores consideram deixar o ministério

Esgotamento pastoral: 38% dos pastores consideram deixar o ministério

Depois da pandemia por Covid-19, o esgotamento físico e mental no meio pastoral ficou ainda mais evidente. De acordo com o pastor Nic Burleson, que atua no nordeste do Texas, muitos se queixam de depressão, problemas na igreja e no casamento e dúvidas se devem ou não continuar no ministério.

“Temos vários pastores em cada retiro que estão pensando em deixar o ministério", disse ao Christianity Today. “De várias maneiras, eles se sentem presos, o que só aumenta a pressão e o desgaste”, explicou.

Uma pesquisa do Barna Group, divulgada na terça-feira (16), revelou que 38% dos pastores consideram seriamente deixar o ministério de tempo integral. Em janeiro, a porcentagem era de 29%.

“Foi para isso que eu fui chamado?”

“Todo o caos, toda a pressão, a mídia social, a pandemia, a política, o contexto hiperdigital, faz com que muitos líderes se questionem: Será que estou fazendo o certo? Foi para isso que eu fui chamado?". apontou Joe Jensen, vice-presidente do Barna. 

Ele comenta que, em 2016, 85% dos pastores avaliaram seu bem-estar mental como bom ou excelente, de acordo com uma pesquisa anterior. Em outubro de 2021, porém, esse número caiu para 60%.

“Com tantos líderes de ministério ‘à beira do precipício’, os pastores estão mais ansiosos para sair um pouco da igreja, fazer amizades, falar abertamente sobre suas lutas, obter conselhos e encontrar suporte para sua saúde mental”, contou.

“O nível de esgotamento ficou mais grave”

“Antes da pandemia, o esgotamento era uma epidemia silenciosa nos líderes do ministério. As estatísticas testemunham isso, mas agora posso dizer que o esgotamento é endêmico”, disse Dan White, que lançou o Kineo Ministry Training Center, em 2020. 

O projeto organiza retiros para líderes de ministérios em Porto Rico, além de ser um programa de treinamentos. Em seu trabalho com pastores, White viu a crise se intensificar. 

“Mais líderes estão sofrendo esgotamento, até mesmo pessoas que costumam descansar aos sábados e tirar períodos de férias. O nível de esgotamento ficou mais grave, com exaustão ‘até os ossos’ e muito desânimo”, citou.

Como o esgotamento se manifesta

“O esgotamento começa a se manifestar de maneiras diferentes, de acordo com as personalidades”, disse White que também trabalha com aconselhamento pastoral.

“Para alguns, se manifesta através de raiva e irritação por trás de portas fechadas com a família. Eu vejo isso como um esconderijo relacional e uma tentativa de sumir um pouco”, disse.

“Para outros, se manifesta através da presença excessiva nas redes sociais, consumo de álcool, assistir TV demais. Tudo isso é um escape. Nossa mente, alma e corpo ficam tentando compensar a opressão que sentimos”, explicou. 

“Além da nossa capacidade de suportar”

Evan Marbury, pastor e conselheiro em Durham, Carolina do Norte, usou as palavras de Paulo, em 2 Coríntios 1.8 para identificar o esgotamento atual dos pastores. 

“Irmãos, não queremos que vocês desconheçam as tribulações que sofremos na província da Ásia, as quais foram muito além da nossa capacidade de suportar, a ponto de perdermos a esperança da própria vida”, diz a passagem bíblica. 

Conforme Marbury, quando alguém chega a esse ponto é realmente preocupante. “Muitos pastores se sentem constrangidos em verbalizar essa verdade, mas se Paulo disse isso, nós devemos ser capazes de dizer também”, pontuou.

Para ele, em meio a todos os abalos e crises que ocorreram em 2020 e 2021, este se tornou um momento para os pastores repensarem sua abordagem quanto ao seu papel e sua saúde mental.

“Muitos estão lutando para sentir esperança”

Malbury, que é pastor da Igreja Central de Cristo, disse que há muitos pastores lutando para sentir alguma esperança. “Eles acreditam teologicamente, mas as coisas parecem difíceis na prática”, reconheceu.

“Isso tudo está forçando os pastores a encontrarem sua identidade em Cristo e não na perfeição de seu ministério, e acho que isso é uma coisa boa”, disse também Burleson. 

Na Igreja Timber Ridge, ele teve que lidar com seus próprios medos de não crescer e lembrar a si mesmo que o chamado de Deus em Mateus 25.21 estava focado na fidelidade, não no sucesso.

Ele planejou mais de vinte retiros à beira de um lago para 2022, um recorde para o programa, que se expandirá para incluir fins de semana para casais que são co-pastores. 

Falta de recursos

O pastor White aponta para um dos principais fatores que levam a liderança ao esgotamento — o dinheiro. “Muitos se perguntam: O que farei para ganhar dinheiro? Há um pânico aí. Em muitos casos, temos que ajudá-los a repensar sobre a importância de seu papel pastoral no mundo”, compartilhou.

“Figuras como o rei Davi, Moisés e outros homens que a Bíblia cita, também tinham dúvidas sobre sua vocação. Essa é uma grande oportunidade de se aprofundar no relacionamento com Jesus e de se revelar mais resiliente, mais seguro de quem realmente é, seja um ministro vocacional ou não”, concluiu.

Fonte: Guiame