Preso com terroristas por 445 dias, pastor fez da prisão chance de pregar o Evangelho

Nenhum comentário
Preso com terroristas por 445 dias, pastor fez da prisão chance de pregar o Evangelho

Era o tipo de chamado que Petr Jasek simplesmente não conseguia se afastar. Por mais de 28 anos, o embaixador da República Tcheca e global da organização sem fins lucrativos internacional The Voice of the Martyrs (VOM) viajou pelo mundo em apoio aos cristãos perseguidos.

O que deveria ser uma viagem de quatro dias para ajudar um jovem cristão convertido no Sudão, dominado pelo Islã, em dezembro de 2015, se transformou em 445 dias de tormento e tortura. Foi assim que Jasek aprendeu na pele como era ser caçado e oprimido por sua fé.

Enquanto se preparava para embarcar em um voo de Cartum, capital do país, para casa, o líder cristão foi detido sob a acusação de espionagem e como interessado em "travar guerra contra o Sudão".

Ele foi jogado em uma cela imunda e informado de que enfrentaria a pena de morte.

Em uma cela projetada para uma pessoa, Jasek foi preso com seis outros homens - que ele rapidamente descobriu que eram membros do grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

"Eles me pediram para contar algumas notícias do mundo exterior, porque algumas semanas antes houve uma série de ataques terroristas coordenados em Paris", diz Jasek. "Então ouvi os aplausos e soube [quem eles eram]"

A experiência de Jasek foram documentadas e compiladas no livro "Preso com o ISIS: Fé em face do mal”, segundo Jasek disse à Fox News.

O pastor conta que os homens eram todos jovens e "altamente inteligentes". Havia médicos, farmacêuticos e engenheiros de computação - e eram de países diferentes, incluindo Sudão, Paquistão, Egito e Somália.

Um lutador, em particular, era mais considerado do que os outros. Ele era um cidadão líbio que supostamente servira de guarda-costas pessoal para Osama bin Laden nas colinas áridas de Tora Bora nos primeiros dias da invasão dos EUA ao Afeganistão.

Depois de ter sido ferido em uma explosão de bomba nos EUA e preso ao voltar para casa na Líbia, Jasek disse que o jihadista foi libertado pelo então governante Muammar Gaddafi e prometeu lealdade ao notório líder do ISIS Abu Bakr al-Baghadadi antes de cortar as cabeças dos 21 cristãos coptas nas costas da Líbia em fevereiro de 2015. Os companheiros de prisão elogiaram a Líbia como "o homem da espada", cujas mãos ainda estavam figurativamente saturadas no sangue dos incrédulos.

Brutalidade e espancamentos

Mas a curiosidade inicial que os terroristas do ISIS tinham em relação a seu novo companheiro de cela cristão devotado rapidamente deu lugar a brutalidade e espancamentos.

“Eles começaram a me tratar como um infiel, me chamando de rato imundo e porco imundo. Eu não tinha permissão para me mover por conta própria; eles me forçaram a responder suas perguntas”, lembra Jasek.

“Então começaram os ataques físicos – socos no meu rosto, chutes em minhas pernas com os sapatos. Eles usaram uma vara de madeira para me bater e experimentaram outros modos de tortura”, conta.

Jasek conta que, a certa altura, seu corpo era forçado a ocupar posições tão árduas por longos períodos que ele sequer conseguiu andar por dias a fio. Ele diz que o som das risadas dos guardas ecoando através das barras de ferro permanecem em sua mente.

“Os guardas estavam permitindo que eles (os membros do ISIS) tivessem mais liberdade na prisão do que qualquer um dos outros porque tinham medo deles”, explicou Jasek. "Isso faz você questionar quem são os verdadeiros prisioneiros."

Enquanto os homens oravam em voz alta ao redor dele pelo menos cinco vezes por dia e liam em seus Alcorões, ao pastor não era permitido nem uma Bíblia e fazia suas orações cristãs em silêncio. Jasek conta que fez o que pôde para manter o pouco que restava de sua sanidade.

"Eu estava preocupado em perder a cabeça", admite Jasek. "Pior que as condições de vida, as doenças infecciosas e a preocupação de perder minha vida, eu estava tentando ocupar minha mente com algo que fazia sentido".

Ele prometei a si mesmo que não poderia desmoronar.

Em um dia especialmente sombrio, depois de meses de tratamento impiedoso nas mãos dos terroristas ISIS presos na mesma cela, quando seu corpo estava debilitado e sofria de desnutrição, os agentes do ISIS decidiram que Jasek deveria ir para a única cela com uma torneira funcionando. Pouco antes do início do processo, o líder cristão foi levado por um guarda para o confinamento solitário.

"Você pensaria que essas pessoas seriam punidas, mas, na verdade, eu acabei punido", disse ele.

Na cela solitária, onde não havia entradas de luz, Jasek foi submetido a outro método de tortura chamado "congelador", pelo qual o ar congelado era soprado ao acaso para danificar sua estrutura debilatada.

Outras prisões

Tempos depois, Jasek foi transferido para várias outras prisões - algumas cheias de doentes, de insetos e esgoto transbordando. Ele conta que tinha pouco mais do que pedaços de pão mofado para comer e dezenas brigavam pelas rações escassas para aliviar temporariamente suas dores de fome.

Seu caso foi finalmente levado ao Tribunal de Justiça do Sudão no início de fevereiro de 2016.

Sentença

"Em certo sentido, foi uma comédia trágica", observou Jasek, detalhando como é o pior segredo que o juiz era apenas um braço da polícia secreta do então presidente Omar Bashir. "Fui condenado à prisão perpétua."

O Sudão é classificado como o sétimo pior país para a perseguição de cristãos, de acordo com a Portas Abertas.

Jasek diz que sabia que cristãos de todo o mundo estavam orando por ele e diplomatas espalhados pela Europa defendiam sua libertação, mesmo assim aquela decisão o preocupou.

Em uma cela bolorenta convertida em uma capela improvisada, Jasek retomou sua paixão por pregar a outros prisioneiros, aqueles marginalizados pela sociedade.

“Uma vez, às vezes duas vezes por semana, eu pregava aos prisioneiros sem esperança, desesperados e esquecidos. Eu sabia que estávamos sendo monitorados, mas não tinha mais nada a perder. Eu já havia sido condenado à prisão perpétua, para que não houvesse mais pena de mim”, disse Jasek. “Vi como a vida deles se transformou através do Evangelho, e essa foi a missão mais importante da minha vida.”

Na manhã na primavera de 2017, 445 dias depois que ele foi algemado e arrastado do aeroporto de Cartum, até a cela, as portas da prisão foram abertas e os guardas disseram que ele deveria ser libertado.

As negociações dos bastidores finalmente haviam se concretizado. E, embora Jasek se afastasse daqueles limites decrépitos e nunca olhasse para trás, ele voltou para casa com um profundo senso de clareza e compreensão de que o caminho da perseguição era aquele que ele estava destinado a percorrer.

“A perseguição é esperada, porque foi para isso que Jesus preparou seus seguidores o tempo todo, portanto, ter essa mentalidade me ajudou a superar ao longo desse tempo”, acrescentou Jasek. “Orei muito e sabia que minha vida não estava em minhas próprias mãos. Essa força não veio de mim mesma, mas do Senhor Jesus.”

Fonte: Guia-Me

Nenhum comentário

Postar um comentário