Mais da metade dos pastores se sentem “frequentemente oprimidos”, mostra a pesquisa

Nenhum comentário
Mais da metade dos pastores se sentem “frequentemente oprimidos”, mostra a pesquisa

A porcentagem de pastores que dizem que são frequentemente oprimidos por seu papel aumentou durante os últimos seis anos, nos EUA, embora o número de pastores que deixaram o púlpito tenha permanecido relativamente inalterado, de acordo com uma nova pesquisa da Lifeway Research.

A pesquisa descobriu que 63 por cento dos pastores em igrejas evangélicas e historicamente negras protestantes concordam que “o papel de ser um pastor é frequentemente opressor”, com 21 por cento concordando fortemente.

Os 63% são um aumento em relação a 2015, quando 54% concordaram com a declaração.

Mas tais sentimentos não impactaram os pastores que deixam o ministério. Este ano, a taxa de pastores deixando o púlpito é de 1,5 por cento. Em 2015, era 1,3%.

“A Covid-19 não foi um estressor pequeno nem de curta duração para os pastores”, disse Scott McConnell, diretor executivo da Lifeway Research . “Muitos especularam que os pastores estão optando por sair do pastorado como consequência. Esse não é o caso. Eles permanecem fiéis ao chamado em níveis semelhantes aos vistos antes da pandemia”.

A pesquisa também descobriu que:

  • 37% dos pastores estão na mesma igreja que pastoreavam há 10 anos. Em 2015, esse número era de 44%.
  • 18% dos pastores dizem que o pastor anterior saiu devido a um conflito. Em 2015, era 26%.
  • 80% – o mesmo número de 2015 – concordam que “precisarão enfrentar o conflito nesta igreja no futuro”.
  • 61% dos pastores concordam fortemente com a declaração: “Eu sempre protejo meu tempo com minha família”. Em 2015, 68% responderam dessa forma.

Enquanto isso, 41 por cento dos pastores dizem que estão “frequentemente preocupados com a segurança financeira” de sua família – uma diminuição de 53 por cento em 2015.

“Esta diminuição no número de pastores estressados ​​por suas finanças pessoais pode ser devido ao aumento da generosidade em sua igreja ou cheques de estímulo financeiro do governo”, disse McConnell. “Ainda é mais comum para um pastor se preocupar com suas próprias finanças do que relatar declínios nas doações em sua igreja.”

A pesquisa entrevistou 1.576 pastores de igrejas evangélicas e historicamente negras protestantes em agosto e setembro. Foi patrocinado pela Primeira Igreja Batista de Houston e Richard Dockins, um médico.

Fonte: Folha Gospel com informações de Chrsitian Headlines

Nenhum comentário

Postar um comentário